Rêgo Travesso (e matreiro)


Há uns anos atrás o Grupo SIl promoveu, em Almada, o empreendimento da Herdade da Aroeira.
Lembro-me que no início da sua comercialização se prometia, entre outras coisas, um condomínio privado com hotel e acesso direto à praia por teleférico.
Agora, após a sua comercialização quase total, verificamos que o condomínio da herdade da Aroeira de privado nada tem (além duma cancela) colocada na via pública e de discutível legalidade, que o teleférico afinal não pode ser construído e que nunca existiram interessados em fazer o hotel.
Virou-se pois o grupo SIL para o concelho do Seixal onde adquiriu a herdade do Rêgo Travesso, uma propriedade sujeita a fortes restrições, desde logo ambientais, dado que é atravessada pelo Rio Judeu (Zona de Reserva Ecológica) e se encontra integrada em zona classificada Rede Natura 2000 (proteção ecológica europeia).
Mas rapidamente o Grupo SIL chegou a acordo com a Câmara, contornando estas objeções e prometendo em troca um campo de golf, um hotel e vários equipamentos que iriam dinamizar o Turismo no concelho.
E assim nasceu a Herdade do Monteverde, uma urbanização que segundo a descrição dos próprios promotores é: Localizada junto à A2 com a EN378 (Sesimbra), terá uma área de construção de 57.375m2. Com 86 moradias isoladas, 71 moradias geminadas e 198 apartamentos, este será sem dúvida um projeto de referência na margem Sul. Para além da zona residencial, o projeto contempla ainda um Hotel com 4.210m2 e uma Zona Comercial com aproximadamente 1.300m2”.
Ou seja em nome do desenvolvimento do turismo no concelho a Câmara aceitou sacrificar uma importante parcela do seu património natural que recordo (não se fabrica mais) utilizando um slogan publicitário do próprio promotor.
Sucede que o stand de vendas já foi instalado no local e uma faixa na entrada onde se pode ler “informações” foi colocada. Quem procurar obter essas informações facilmente poderá constatar que os arruamentos foram construídos, o terreno foi infraestruturado mas que o campo de golf nem se vislumbra. Será também informado que o hotel será construído quando aparecerem interessados (atendendo ao exemplo da vizinha Aroeira não é difícil imaginar quando isso acontecerá).
Em conclusão: A opção pelo betão em detrimento da natureza, em nome dos campos de golf já é, por si só, discutível mas torna-se inaceitável se não existir uma intenção firme de cumprir o acordado.
À partida a Câmara Municipal tem mecanismos à sua disposição que podem impedir o avanço do projeto se a totalidade dos seus objetivos iniciais não estiver a ser cumprido, mas também é verdade que a situação financeira da CM Seixal é desesperante e os milhões de Euros que são arrecadados com um empreendimento deste tipo são uma forte tentação.
A raposa é travessa e matreira, todos nós temos que ser vigilantes, é o nosso futuro e o dos nossos filhos que está em causa!

2 comentários:

Anónimo disse...

Bom dia, efectivamente, enquanto morador da Herdade da Aroeira, baptizado de condominio de luxo, o unico luxo que vejo é ser visinho de alguns jogadores do Benfica que já este ano tiveramm a casa assaltada. De resto, desde o parque infantil que no inverno gera lagoas debaixo dos baloiços da crianças e demais coisas que não ouso sequer referir, o luxo foi-se perdendo desde a sua inauguração em parte devida à fraca Administração que tem tido.

Anónimo disse...

Venho apenas comfirmar tudo o que aqui foi dito,
Trabalhei para o grupo e conheço a realidade
Infelizmente é pura verdade, nada será feito no futuro para além da parte imobiliária

Google