Na Seixalândia dos Editais e dos Ajustes Directos*

Um monstruoso Iceberg coabita, desde há muito, na Gestão do Município do Seixal ou seja, entre a parte visível dos Editais Camarários e a parte submersa dos Ajustes Directos, a diferença é abissal e, nesta terra de tradição de faina do mar, todos sabemos como isto constitui um perigo para a navegação e, no caso concreto da Câmara, para a Gestão.

Trocando esta introdução por miúdos, vamos assumir que a parte visível do Iceberg é o somatório dos Editais sobre Apoios e Comparticipações que a Câmara distribui a Escolas, Instituições e outras Associações. É ver o Boletim da Câmara encharcado de doações, algumas caricatas, do género: Agrupamento de Escolas Paulo da Gama: 765,00€ para o Projecto Desfile de Carnaval de 2012. Outras instituições, no âmbito do Projecto “Acções Jovens 2012”, concretamente a KHAPAZ-Associação Cultural e o Seixal Surfing Clube, são contempladas com 200,00€ e 1.000,00€, respectivamente.

Poderíamos estar o dia todo a transcrever o rol de Apoios e Comparticipações que constam do Edital do passado mês de Fevereiro.

O cerne da questão não estará na justeza e na razão de ser de muitos destes apoios.

O cerne da questão está na desproporção entre estes apoios, do mês de Fevereiro, e a face submersa do Iceberg dos Ajustes Directos do mesmo mês. E, aqui é que a porca torce o rabo, porque, pasme-se, só em Fevereiro totalizaram não cem, não mil, mas, tão-somente: 2 milhões, oitocentos e três mil e cinquenta e sete euros e noventa e quatro cêntimos! Sim, não se trata de uma gralha, são mesmo 2.803.057,94 Euros, tudo isto num só mês, em ajustes directos.

Mas, não ficamos por aqui: de que ajustes estamos a falar, vejamos dois exemplos:

·        Despesas de Comunicações Móveis: 102. 804,19 €;

·        Fornecimento de gasóleo rodoviário e gasolina sem chumbo aos veículos que compõem a frota municipal, através de cartão electrónico, em postos de abastecimento público, em todo o território nacional, mas especialmente no Concelho do Seixal: 2.634.146,34 €

Última nota, num “Município onde não há dinheiro”, pasme-se: até 7 de Março deste ano a “boa” gestão camarária gastou 5.022.545,82 €, enquanto nos 365 dias de 2011 gastou 7.678.018,50 €. Caramba, não há velas suficientes para aguentar a velocidade gastadora, nem a própria Muleta do Seixal, conhecida pelo envergar de um notável velame, composto de 6 a 7 pequenas velas (toldos, muletins, varredouras e cozinheira) e uma enorme vela latina armada em bastarda, permite tanta tempestade num mar revolto de gastos e regabofe!

Um último recado, sugestão ou provocaçãozinha, como entenderem: Será que têm coragem de publicar no Boletim da Câmara o rol dos Ajustes directos adjudicados durante o mês de Fevereiro? Os Seixalenses haviam de gostar disso, vá lá camaradas, coragem!!!

José Geraldes

*O autor não escreve com as regras do “Novo Acordo Ortográfico”.


1 comentário:

Anónimo disse...

Ah, marujo da água do luso!
O que está descrito é um afundamento à Titanic!
Na Muleta, todo o conjunto do velame servia para estabilizar o barco de través à vaga, durante a faina de pesca, pois pescava pelo bordo e não de arrasto pela popa(aliás sistema único no mundo, assim como a concepção do casco).
Era um sistema de aprimorada da arte da estabilidade, que a maioria dita comunista e artista nas engenharias financeiras que fazem empalidecer qualquer ultraliberalista, quanto muito primou por apagar / reescrever da história do concelho.

Google