No Seixal não se vive a democracia. Luta-se por ela.

Haverá porventura leitores que entendam o título deste artigo demasiado forte, até porque vivemos num concelho gerido pelo partido comunista, um dos baluartes da luta antifascista no anterior regime.
Saúdo a memória de todos aqueles que no anterior regime lutaram pelos valores da liberdade e da democracia, independentemente da sua filiação partidária. Saúdo fundamentalmente aqueles que após o 25 de Abril abraçaram esses valores não se aproveitando da liberdade para reescreverem o conceito da democracia, transformando-a num instrumento de poder, umas vezes pessoal, outras de grupo. A história universal, da mais recente à mais antiga, dá-nos muitos exemplos de lutadores pela democracia que se transformaram em odiosos ditadores, razão porque o cidadão anónimo é tão descrente na vida politica.

Seria suposto o concelho do Seixal ser um exemplo de vivência democrática e de respeito pela divergência de pensamento e acção politica, mas reconhecidamente não é o caso. O Partido Comunista no concelho do Seixal é bem o exemplo de metamorfose que se opera com a chegada da liberdade.

Estranho, dirão alguns. Impossível, dirão outros; mas a realidade quotidiana confirma o indesejável.

Tenho um amigo que muito me confidência o desgosto dos seus amigos de infância, nascidos neste concelho, que acreditaram na bandeira política do partido comunista, mas hoje, passados mais de 30 anos de poder do seu partido no concelho, lamentam-se de o ver transformado num lobby de poder autárquico ao serviço de poucos a quem não reconhecem espírito democrático.

Se já há uns anos sentíamos essa realidade no exercício do mandato de Deputado Municipal, nos últimos dois anos, enquanto Vereadores eleitos assistimos a realidades que nos deixam incrédulos.

Ter que recorrer a decisões judiciais para que a maioria comunista respeite o nosso estatuto de Vereadores sem Pelouro, passando por ter que recusar a consulta de processos fora dos nossos gabinetes, de tudo nos tem acontecido um pouco; mas, diga-se em abono da verdade, temos sentido que a nossa luta não tem sido em vão. De passo em passo, sentimos que o contributo dos Vereadores Socialistas está a ser fundamental para que a democracia politica se vá instalando no nosso concelho, ainda que a contra gosto dos responsáveis da gestão municipal.

Como corolário da nossa luta a Entidade Reguladora para a Comunicação Social acabou de emitir uma decisão, na qual …” Insta a Câmara Municipal do Seixal a pugnar por uma maior abertura às diferentes forças políticas que intervêm na vida pública da autarquia, promovendo o pluralismo através da participação daquelas sensibilidades políticas nos meios de comunicação autárquicos, designadamente no Boletim Municipal.”

Afinal a oposição tinha razão quando ao longo destes anos denunciava a falta de democracia no concelho do Seixal, em que o Boletim Municipal era um espelho.

E agora Senhor Presidente? Vai cumprir a recomendação e deixa que os jornalistas de Boletim Municipal cumpram o seu dever deontológico de informar com independência ou vai continuar a tratá-los como servidores da sua causa?

Cá estaremos para ver.  



Fonseca Gil

Vereador Socialista na Câmara Municipal do Seixal.

 
Publicado no Jornal Comércio do Seixal e Sesimbra

2 comentários:

Anónimo disse...

Jornalistas?? Quem lhes emitiu a carteira profissional??

Anónimo disse...

há coisas que se devem fazer registar, e quando ao longo dos últimos meses constatamos uma evolução substantiva deste blog, quer ao nível dos conteúdos quer na qualidade das intervenções, julgo que não devemos deixar de o assinalar.

Google