AINDA VAMOS VER A SIMARSUL E A AMARSUL RECUSAREM O TRATAMENTO DOS RESÍDUOS PRODUZIDOS NO CONCELHO DO SEIXAL

Há cerca de dois meses tomámos conhecimento que uma empresa prestadora de serviços de limpeza na Câmara Municipal do Seixal concentrava os seus trabalhadores nas instalações municipais mas ordenava-lhe que não deveriam fazer os serviços de limpeza, como forma de obrigar a Câmara a proceder ao pagamento de avultada dívida em atraso.
Não sei se a estratégia resultou em pleno e se foi paga parte substancial da dívida, o que sei é que a Câmara deve à empresa ainda e neste momento, montante superior a €: 230.000,00.

Os Vereadores Socialistas tinham já requerido ao Senhor Presidente da Câmara informação de que valores eram devidos à dita empresa e ainda às empresas que tratam os resíduos do concelho, Simarsul e Amarsul, tendo o Senhor Presidente da Câmara feito ouvidos de mercador, porque, claro está, não queria que os munícipes do Seixal soubessem a verdadeira dimensão do descalabro financeiro da autarquia.

Para grandes males, grandes remédios e mais uma vez os Vereadores Socialistas tiveram que recorrer ao tribunal administrativo para obrigar o Senhor Presidente da Câmara cumprir os seus deveres de informação.

Claro que já suspeitávamos que também estas empresas estavam a prestar serviços à Câmara sem a correspondente contrapartida financeira; o que não sabíamos era a dimensão dos montantes envolvidos.

A população do Seixal precisa de saber a verdade sobre a forma como são geridos os dinheiros que os munícipes pagam com vista à dotação do concelho de serviços de interesse coletivo.

É sabido que os munícipes pagam taxas à Câmara Municipal para que esta trate os resíduos produzidos ou pague a terceiros a prestação desses serviços. O ano passado a Câmara Municipal aprovou estudos encomendados a empresa dita da especialidade a qual procedeu ao estudo da fundamentação de todas as taxas cobradas pela Câmara e concluiu que as taxas cobradas eram justas e adequadas, cobrindo a receita arrecadada os custos da prestação dos serviços. Ora se o valor das taxas cobradas dá para cobrir os custos dos serviços prestados como justifica o Senhor Presidente da Câmara que neste momento esta deva às duas empresas referidas, no seu conjunto, valor superior a €: 4.000.000,00? (quatro milhões de Euros). Até parece mentira, mas é verdade. Só a intervenção dos Vereadores Socialistas junto do tribunal obrigou o Senhor Presidente da Câmara dar a conhecer aos seus munícipes, mais um buraco financeiro que os comunistas procuravam esconder.

Será que estas empresas vão utilizar a estratégia da empresa de limpezas e um dia destes os camiões do lixo ficam à porta do aterro sem autorização para descarregar e os efluentes novamente deitados ao Tejo até que haja pagamento?

Esperemos que não, mas já vi que a realidade pode conduzir a uma situação insustentável para as empresas que prestam os serviços pagos pelos munícipes, com o Senhor Presidente da Câmara a desviar essas receitas para tapar outros buracos. De buraco em buraco os comunistas do Seixal vão descapitalizando o município, mas não abdicam de continuar a esbanjar dinheiro em publicidade e imagem.



Fonseca Gil

Vereador Socialista na Câmara Municipal do Seixal


1 comentário:

Anónimo disse...

É lamentável que a limpeza num edifício sem arejamento não se esteja a fazer escrupulosamente. Já é nefasto para a saude dos trabalhadores o modelo de edifício que a Gestão CDU escolheu sem arejamento conveniente acrescido agora da falta de limpeza. A gestão CDU nunca esteve preocupada com o bem estar dos seus trabalhadores.

Google