O MOMENTO ACTUAL, O PRESENTE E O FUTURO

Os portugueses estão confrontados com as consequências da queda do governo.

Os efeitos da grave crise internacional são conhecidos, como conhecida é a escassa margem política de manobra de Portugal para superar a prazo dificuldades, cada vez mais sentidas sobretudo por quem trabalha e depende do trabalho.

Para essa superação é decisiva a articulação das nossas politicas públicas com a U.E., resultado das obrigações internacionais que neste quadro voluntariamente contraímos – e bem.

A queda do Governo ocorreu no dia anterior ao mais importante Conselho Europeu dos últimos anos.

A agenda deste é de enorme importância indo desde o reforço do euro, passando pelas politicas financeiras de apoio aos países que mais carecem, nos quais se incluem Portugal, até à dinamização do emprego.

É assim ilógico, senão mesmo absurdo e por via disto irresponsável, que a totalidade da oposição parlamentar entendesse que nessa Cimeira Portugal e os portugueses fossem representados por um Primeiro-Ministro demissionário, logo com representação enfraquecida.

Factos são factos e a evidência impõe-se por si.

As oposições no parlamento entenderam que era mais importante enfraquecer Portugal junto do Conselho Europeu, dificultar o apoio ao país e de seguida responsabilizar o Governo por isso.

Que candura! Que elevação! Que sofreguidão pelo poder! Que sentido das responsabilidades! Como se no mínimo, concedendo-se sem transigir a queda do Governo não pudesse aguardar uns dias!..

O PS e o Governo fizeram até agora tudo perfeito? Obviamente que não. Cometeram-se erros? Seguramente que sim.

O PS é um partido livre de homens e mulheres livres e por isso mesmo o próprio signatário, enquanto presidente de uma das maiores federações do país nunca se coibiu, como era e é sua obrigação, de apontar nos locais próprios e responsavelmente o que entendia dever ser em seu entender corrigido.

Não é isso o que agora está em causa. Em política, quando estão em causa os superiores interesses de um país não podemos nem devemos olhar para trás ou seguir por duas estradas. Há momentos em que só há uma escolha. 

As oposições seguiram por uma estrada errada perante a também difícil compreensão da passividade do Presidente da República que podia e devia contribuir para evitar a situação a que chegámos.

Muitos, incluindo modestamente e em tempo oportuno o próprio signatário pronunciaram-se publicamente com soluções que a todos salvasse a face e que atendesse aos interesses do país.

O momento é por isso muito complexo. Exactamente por sê-lo tenho a consciência plena que os militantes e simpatizantes do PS no distrito de Setúbal saberão mais uma vez mobilizarem-se com a seriedade tranquila de quem tem a razão do seu lado.

Com os olhos postos exclusivamente nos interesses superiores do país, olhando com confiança o futuro e contribuindo para a recriação da esperança. Em unidade forjada nos princípios e valores das nobres causas do socialismo democrático.

O Presidente e o Secretariado da Federação tudo farão para em conjunto com os militantes respondermos aos desafios do futuro. Não duvido que com o povo português, Portugal saberá mais uma vez ganhá-lo.


                                                                        Vítor Ramalho

Mensagem da deputada Eurídice Pereira

Dentro de pouco mais de dez minutos entrarei no hemiciclo onde as expectativas mais negativas poderão  concretizar-se.
Pelas declarações das últimas horas, os partidos à nossa direita e à ‘nossa esquerda’ parecem estar juntos num objectivo comum: forçar a queda do Governo socialista e incentivar a realização de eleições antecipadas 17 meses depois das últimas legislativas e o 5º acto eleitoral desde Junho do ano passado.

Poderia, agora, argumentar sobre as virtudes da acção governativa ao longo destes últimos anos e, aqui ou ali, apontar o que teria sido desejável ocorrer de modo diverso. Pelo meio, ia debitando uma frases ‘redondas’ , panfletárias …. Não vou por aí. No momento a reflexão tem de ser objectiva e circunscrita ao que interessa:

Necessita o país da realização de eleições antecipadas? É previsível que, a realizarem-se, ocorra um quadro político diferente que permita diminuir o peso do que tem de ser exigido aos portugueses?

Na minha opinião, a resposta às duas questões faz-se com um duplo NÃO.

Então, a quem e para que serve esta táctica?

Para a esquerda ‘à nossa esquerda’ é ‘porque sim’. Aliás é sempre ‘porque sim’. Ninguém se recorda , porque não há nada para recordar, que, em momento algum, tenham sido parte da solução. A opção preferencial vai sempre, sem excepções,  para ‘incendiar a rua’.

À nossa direita este calendário serve exclusivamente o calendário de Passos Coelho e dos seus seguidores. Aqui, de onde vos escrevo, não julguem que todos os sociais democratas -deputados  se revêem na provocação de mais um acto eleitoral.

 Ao CDS – perito em criar agenda política demagógica – importa o poder que , acham eles, pode estar ao virar da esquina.

Mas, e o país onde fica? O tão bisado ‘interesse nacional’ onde entra?

Esta, e só esta, preocupação deve mover o Partido Socialista. O coração e a razão dos socialistas não podem afastar-se, por um momento que seja, do único objectivo que conta: Portugal e os portugueses.

Onde errámos, emendemos. Onde vingámos, aprofundemos. Onde ainda não chegámos, não percamos mais tempo.

O PS é um partido estruturante da nossa jovem democracia. Deu provas de que nos momentos difíceis assumiu as responsabilidades. Este é mais um desses momentos e a nossa História tem de ser honrada, o nosso presente construído e o nosso futuro acautelado.

As condições nacionais não permitem que tracemos o presente e o futuro do país sozinhos, então que o façamos acompanhados.

Sem beliscarmos os nossos valores, os nossos princípios temos, em nome de Portugal, de fazer as necessárias ‘pontes’, os entendimentos estratégicos fundamentais.

Para Portugal, pior que não pudermos governar com estabilidade política é ‘entregarmos’ a governação exclusivamente à direita.

Seria um verdadeiro desastre se , no futuro próximo, a direita, sozinha, repito, tivesse condições de aplicar a sua ‘dose’ liberal  irreversível .

Este é o momento de voltarmos a provar que a governação, connosco , faz toda a diferença, para melhor.

Força camaradas. Porque o momento não é fácil temos de cá estar.

Saudações Socialistas



Eurídice Pereira

VEREADORES SOCIALISTAS VISITAM BAIRRO DA JAMAICA

A requerimento dos vereadores socialistas na Câmara Municipal do Seixal, realizou-se hoje, 16 de Março de 2011, uma visita a Vale de Chicharos, mais conhecido como Bairro da Jamaica, na qual participaram vários técnicos da autarquia e eleitos.
O objectivo desta visita era observar no local esta realidade, uma das mais graves na Área Metropolitana de Lisboa, a nível social, do ponto de vista da segurança e das condições urbanísticas.
 Por coincidência esta visita realizou-se escassas 24 horas depois da intervenção da Policia Judiciária no bairro, através da sua unidade nacional de contra-terrorismo, no âmbito do combate a gangs organizados que lutam pelo controlo do tráfico de droga no concelho. Nesta operação foram detidas onze pessoas.
Foi possível verificar no local as condições degradantes em que vivem estas 806 pessoas, que correspondem a 252 famílias, segundo dados fornecidos pelo município e de acordo com o censo levado a cabo no passado mês de Outubro.
Estas pessoas vivem sem quaisquer condições de salubridade, “desviando” a água com que se abastecem da rede pública, o mesmo acontecendo com a energia eléctrica. Na maioria dos prédios foi possível verificar que o sistema de esgotos escoa directamente para a cave, nalguns casos estando esta já cheia e escorrendo os mesmos para a via pública. Em consequência desta realidade alguns prédios correm risco eminente de colapso, em virtude do comprometimento das suas fundações.
No que se refere à segurança, na zona e de toda a área envolvente, apesar de ter sido veementemente negado pelos autarcas comunistas qualquer problema de insegurança, invocando até para isso dados pretensamente fornecidos pela PSP, a verdade é que quer a experiência pessoal e profissional dos signatários, quer as notícias vinculadas na comunicação social, bem como os relatos ouvidos no local provam precisamente o contrário. A título de exemplo refira-se que já no fim da visita foi possível falar com uma moradora que apresentou o seu problema em virtude de ter três filhos presos, em três locais diferentes.
Do ponto de vista urbanístico constatou-se que apesar das sucessivas promessas do PCP/CDU nada de relevante se fez ou se perspectiva fazer a curto/médio prazo para a resolução deste problema. Na verdade o protocolo assinado em 2004 com a empresa proprietária dos terrenos e que serviu de pretexto para afixar propaganda do município no local afirmando que a demolição daquelas torres e o consequente realojamento aconteceria durante o ano de 2005, foi esquecido.
Também com a aprovação do Plano de Pormenor para a área em 2009 a maioria comunista no município afirmou que seria desta que o problema seria resolvido, com o realojamento desta população noutro local.
A verdade é que as informações recolhidas durante o dia de hoje vão no sentido de que desde a data da aprovação do PP nada mais foi feito, remetendo-se agora a solução do problema para o IHRU, em virtude de eventuais dificuldades financeiras do promotor. A realidade é que entretanto a Câmara já isentou a Urbangol, a empresa proprietária dos terrenos do pagamento de taxas urbanísticas e autorizou o crescimento dos índices de construção inicialmente previstos para o local, como se já não bastasse esta empresa ser sedeada no offshore de Gibraltar.
Curioso foi também verificar que no contacto com a população residente nos foi manifestado o seu desagrado pelo facto de lhe serem criadas continuadamente falsas expectativas de realojamento no curto prazo, o que, segundo alguns residentes os inibiu de, no passado, procurarem soluções alternativas.
Estranho foi também ouvir residentes no local afirmar que o realojamento estaria previsto para a zona da Flôr da Mata mas que não se concretizava por oposição dos moradores nesse local. Uma das residentes afirmou mesmo já ter ido com a filha ver as obras de desmatação da Flôr da Mata, na expectativa de aí vir a ser realojada.
Os signatários consideram que é necessário, que de uma vez por todas, o PCP assuma as responsabilidades que tem neste problema, e recorde-se que a ocupação por estes moradores do local é toda ela posterior a 1993, falando verdade e não continuando a enganar a população.


Caçador de Sóis

Porque hoje é Domingo, esta música é muito bonita e deve haver sempre em nós um espaço para a criança que ainda somos. Em mim esse é o lugar do sonho e da esperança.
Um bom domingo a todos.



«Pelo céu às cavalitas,
Escondi nos teus caracóis,
A estrela mais bonita, que eu já vi

Eu cresci com um encanto,
De ser caçador de sóis,
Eu já corri tanto, tanto, para ti

Fui um principe encantado
Montado nos teus joelhos,
Um eterno enamorado, a valer

Lancelot de algibeira,
Mas segui os teus conselhos
Para voltar a tua beira
E ser o que eu quiser

[Refrão (x2)]
Os teus olhos foram esperança
Os meus olhos girassois
Fomos onde a vista alcança da nossa janela

Já deixei de ser criança e tu dormes à lareira
Ainda sinto a minha estrela, nos teus caracóis

[Refrão]
Os teus olhos foram esperança
Os meus olhos girassois
Fomos onde a vista alcança da nossa janela

Já deixei de ser criança e tu dormes à lareira
Ainda sinto a minha estrela, nos teus caracóis

[Refrão]
Os teus olhos foram esperança
Os meus olhos girassois
Fomos onde a vista alcança da nossa janela

Já deixei de ser criança e tu dormes à lareira
Ainda sinto a minha estrela, nos teus caracóis»

É preciso lata

Em resposta ao Vereador Joaquim Santos (aqui) vem, e muito bem, a administradora delegada da Fertagus dizer-lhe que procure outras iniciativas para resolver o problema do estacionamento no concelho.
É que o Vice-presidente da Câmara, que não conseguiu construir nenhum parque de estacionamento em quase 40 anos, vem propor-se a tomar conta dos Parques de estacionamento concessionados a esta empresa para de seguida os tornar gratuitos.
Pois olhe sr. vereador eu faço-lhe outra proposta que é: torne já publico o parque de estacionamento do Miratejo, onde a Câmara cobra pela sua utilização, apesar deste lhe ter sido oferecido pelo LIDL!
Depois terá (alguma - pouca) legitimidade para propor este tipo de medidas.

Petição Pela Preservação da Rede Natura 2000 no Seixal

A área situada no limite Sudoeste do Concelho do Seixal, nas Freguesias da Amora e Fernão Ferro,(em que se incluem, por exemplo, o Pinhal do Caldas, o Pinhal das Freiras, e o Rego Travesso), viu a sua importância ecológica reconhecida ao ser classificada como Rede Natura 2000.
Esta Rede foi criada a nível Europeu para conservar os habitats e as espécies selvagens raras, ameaçadas ou vulneráveis.
A Rede Natura 2000 no Seixal, corresponde a 27% do designado Sítio Fernão Ferro / Lagoa de Albufeira, com o código PTCON0054 da Rede Natura 2000 e que se prolonga a sul no Concelho de Sesimbra, pela Herdade da Apostiça até à Lagoa de Albufeira.
Este Património Natural, com estatuto internacional de conservação, está gravemente ameaçado por uma vaga de construções que decorrem neste momento e que se prevêem para o futuro.

Em Construção:

Uma via rápida (IC32);
Uma urbanização (Alto da Verdizela);
Um empreendimento Turístico (Monte Verde Golf & Living).

Previstos:

Seis urbanizações;
Hospital;

Todos estes projectos, mais espaços em que o PDM permite construção, perfazem uma área aproximada de 47% do Sítio Rede Natura 2000 no Seixal. Implicam um abate massivo de árvores e perda irremediável de habitats, ficando o restante muito mais exposto a futuras pressões. Num Concelho com densidade populacional bastante elevada, área urbanizada igualmente vasta, não podemos assistir impavidamente à destruição dos seus últimos espaços naturais. É a nossa qualidade de vida que está em jogo, aqui reflectida naquele que é sem dúvida o grande pulmão do Seixal e repositório da nossa herança natural e cultural.

A Petição pretende ser um alerta e despertar de consciências para esta e situações semelhantes que se verificam no Concelho do Seixal. Esperamos igualmente que sirva de incentivo para que se desenvolvam acções de efectiva protecção destes últimos redutos naturais.
Contamos com a sua colaboração.

"A UE comprometeu-se a pôr fim ao declínio das espécies e habitats ameaçados no seu território até 2010. Para tal é necessário redobrar os esforços para aplicar efectivamente as políticas e a legislação já existentes. Em particular, a UE quer alargar a rede Natura 2000, que cobre, actualmente, mais de 26 000 sítios em toda a UE. Nestes sítios, as espécies animais e vegetais e os respectivos habitats têm ser obrigatoriamente protegidos."
Excerto retirado do Portal da União Europeia.

A Petição que apresentamos visa fazer cumprir os decretos de lei e directivas, em particular os decorrentes do Plano Sectorial da Rede Natura 2000, para o Sítio Classificado da Rede Natura 2000 Fernão Ferro / Lagoa de Albufeira, com o código PTCON0054. Neste sentido pedimos uma urgente reavaliação dos projectos em construção para melhor enquadramento numa perspectiva de conservação, e a suspensão dos projectos que estão previstos para o Sítio.


Assine aqui
Google