Carta aberta aos colaboradores da CMS

Caro(a) Colaborador(a) da CMS,

No passado dia 13 a CMS deu um passo decisivo na sua modernização, transferindo todos os seus serviços centrais para um único e moderno edifício.
É conhecida a nossa oposição ao modelo de negócio encontrado para construir este imóvel que, sem acautelar as mais básicas regras da concorrência, nos condena a pagar uma renda mensal que ultrapassa os 200.000€ (duzentos mil euros).
No entanto, neste momento esta é uma realidade consolidada pelo que aguardamos que, ultrapassados alguns exageros iniciais, se encontre o ponto de equilíbrio necessário para que todos possam circular e sentir-se confortáveis no seu novo local de trabalho.
Desejamos também que o esforço financeiro realizado com a construção não inviabilize o investimento necessário na criação de condições de trabalho para todos vós, nomeadamente no que respeita à higiene e segurança no trabalho, meios de comunicação e equipamentos informáticos.
Por último esperamos que esta modernização se estenda uniformemente por todos, e em especial às suas mentalidades, que o novo edifício traga um claro clima de fraternidade e igualdade, com uma maior liberdade, acompanhando os sinais do tempo.
É que uma das condições do sucesso duma organização é que todos possam exprimir-se livremente, e que a informação flua rápida e naturalmente horizontal e verticalmente.
Porque está marcada uma greve para a próxima segunda-feira, e a greve é um direito, não uma obrigação, esperamos que o tempo da intimidação e do abuso dos selos nas portas tenha também terminado.
A bem da verdade e do rigor se desejar trabalhar saiba que é tão responsável pelas instalações como em qualquer outro dia e que ninguém o pode importunar se for esse o seu desejo, a única função do piquete é informar, desejamos que a cumpra.
Obrigado pela atenção dispensada e à sua disposição para o que entender, somos os,

Vereadores Socialistas na CMS

5 comentários:

Leal Neto disse...

…E pronto! Fez-se a greve nas autarquias em todo o País e também… no Seixal com mais de 99,00%.
Meu caro sr. dr. lic. Samuel, este assunto… da greve, está claro, foi o tema de conversa, ao final da tarde (agora quase noitinha), lá na tasca do Ti Luís.
E olhe que o sr. dr. lic. Samuel foi lá falado. Sabe, depois do “conhecimento” público da sua “carta aberta”, (isto está mesmo muito engraçado) houve alguém que quis apostar que trabalhadores, trabalhadores a furar a greve depois do seu “veemente” apelo não seriam mais de 20, qualquer coisa como cerca de 1%, lá na Câmara. E sabe?
O homem ganhou! Mas ficou triste porque não houve - segundo o que se ouve por ai – qualquer intimidação. E isto apesar do sr. dr. lic. Samuel e mais o sr. dr. lic. Gil terem-se esforçado e aparecido para “encorajar” e elevar ao estatuto de “heróis”, os três ou quatro funcionários que hoje, não tendo mais nada que fazer… na vida, foram… trabalhar para o novíssimo edifício da Câmara. Sem dúvida que foram “heróis” por um dia, está claro… de greve. Quiseram experimentar a sensação de “trabalhar” na Câmara. Devem ser seus amigos, porque o sr. dr. lic. Samuel também é um caso, e tanto de herói extraordinário. Lindo!
Mas…, esteja lá sossegado um bocadinho sr. dr. também lic. HSerejo. Não fique com ciúmes, o sr. dr. lic. HSerejo, tem um “lugarzito” aqui no coração do trolha Leal Neto. Mas agora como compreenderá, depois da sua tão prolongada ausência, sem nada saber de si, acabei por começar uma nova e espero, “duradoira relação” com o seu mais que amigo sr. dr. também lic. Samuel. Portanto deixe-me continuar, esta conversa com o seu muito amigo.
Pois como ia a dizer, desculpe lá o paragrafo anterior, afinal parece que o homem - o da carta aberta aos srs. drs. lics. Vereadores do PS na Câmara – tinha razão, quando ele dizia que, fazer a greve, mais do que um direito era um dever. E não é que tinha razão? E que dever tão largamente assumido, mais de 99%. É obra, sim senhor.
Sei o que está a pensar, sr. dr. lic. Samuel. “Devem ser todos malandros”! E logo depois do sr. dr. lic. Samuel e os outros srs. drs. lics. Vereadores do PS, se terem “esforçado” e envolvido tanto, no apelo ao trabalho pela nação, desculpe, queria dizer por Socrates. Que “cambada” de calões. Trabalhadores, como devem ser, foram os 10 ou 12 que não tendo nada que fazer… foram trabalhar para a Câmara. Esses sim, são grandes trabalhadores e heróis por terem desafiado os STAL’s . Devem ser do PS do Socrates, corajosos, e acima de tudo… mais que tudo, seus amigos também, que é amigo do sr. dr. eng. da fantástica faculdade “Independente”.
Olhe sr. dr. lic. Samuel, o sr. dr. lic. pode não acreditar, mas… eu acho muito bonito ter “tantos”amigos assim. Bem dividido, como deve ser, deve dar… mais ou menos…, quatro “heróis” para cada um dos srs. drs. lics. veradores do PS na Câmara Municipal.
São tantos. Tantos que, veja lá, tiveram de chamar a manutenção dos elevadores porque, não davam despacho a… “tanta gente” que, heroicamente, queriam trabalhar nem que fosse por um dia, em homenagem ao “esforço” dos srs. drs. lics. veradores do PS na Câmara Municipal.
Como dizia um amigo meu lá na tasca do Ti Luis,
Vai lá vai, até a barraca abana!

Anónimo disse...

Simplesmente vergonhoso o que se passou durante a grve no Seixal, é-me indiferente que sejam 10 ou 20% ou 100% a fazer greve, estão no seu direito, mas quando nem que seja 0.000001% ´não quer fazer e é impedido de trabalhar considero uma tentado á liberdade individual e aos direito e deveres de cada um.
Mas como os extremos se tocam nada de novo apenas uma atitude fascista praticada e defendida por comunistas!!!!

Hserejo

Anónimo disse...

Ó Serejo, porque não te calas? Tens a noção do que estás a dizer?

Tu que segundo parece és tão entendido em legislação deste-te ao trabalho e corda aos sapatos, mesmo que fosse no horário de trabalho do grande emprego que tens, para te informares devidamente da tradução do nº 3 do artigo 537º do Código do Trabalho que a seguir transcrevo?

"3 - A associação sindical que declare a greve, ou a comissão de greve no caso referido no nº2 do artigo 531º, e os trabalhadores aderentes devem prestar, durante a greve, os serviços necessários à segurança e manutenção de equipamentos e instalações."

Por outras palavras, cabendo aos sindicatos e através dos piquetes de greve a função de zelar pelas instalações, compete a estes determinar as condições em que pode garantir o cumprimento da lei.

Por conseguinte, agiram pura e simplesmente no rigoroso cumprimento da lei, porventura bem sabendo que a permissão de entrada de qualquer pessoa na propriedade á sua responsabilidade, não garantiria a plena salvaguarda da integridade quer do edifício e equipamentos, quer de bens neles existentes.

Certo sr. Serejo?

Quanto às lamurias do sr vereador, o que importa dizer é, o que foi lá fazer, senão pretender provocar um "caso" em dia de greve e acompanhado da simpática presença de certa comunicação social fiel?

Bem queria "caso", mas os trabalhadores foram superiores à provocação.

Simplesmente ignoraram-nos. E fizeram bem!

Anónimo disse...

Errado caro anónimo absolutamente errado!!!!

isso é uma interpretação abusiva e parcial da lei, por essa leitura ainda que 89% dos trabalhadores não quisesse fazer greve esta seria imposta pelo sindicato, ahahahahah só mesmo para rir !!!!

Ainda menos quando se refere uma situação com um membro do executivo municipal, isso é como não permitir o acesso ás instalações de um patrão ou admnistrador de uma qualquer empresa!!!

porque não te calas tu anónimo em vez de dizeres aquilo q te assopram ao ouvido!!!!

HSerejo

Anónimo disse...

Ele á ainda gentinha muito estupida ou que julga que é mais esperta que os outros.
Este suposto anónimo que nunca na vida viu sequer uma greve vem agora aqui cagar postas de pescada.
A greve é um direito não um dever!!!! percebeste ó anormal?!!
Só no Seixal é que o sindicato da cãmara, pago com o dinheiro de todos nós, obriga os trabalhadores a fazer greve!!
Já agora porque é que a mesma foi marcada para uma segunda-feira e nem lá estiveram á porta em protesto??
Numa palavra - Fim de semana prolongado!!!! E mais palhaçada!!!

Google