Turismo no Seixal


Pede-me o jornal Comércio do Seixal e Sesimbra que me debruce sobre a temática do Turismo no concelho, pedido simpático mas envenenado, como falar duma coisa que não existe?
Uma rápida busca no Google, sobre o que já se escreveu sobre a matéria, comprova a minha intuição inicial…
Relembro por exemplo que no mês de Agosto de 2007 visitaram o posto de Turismo do Seixal (não conhece? É natural, é um bocadinho escondido) 17 pessoas. Confesso que até nem estava à espera de tantos turistas no concelho, apesar de este ser o mês de férias por excelência. Quase um visitante por dia útil, ou um turista dia sim, dia não, se contarmos todos os dias do mês até nem é uma má média.
Só não compreendo porque é que trabalha tanta gente no Turismo da Câmara, é que, feitas as contas, cada funcionário atende um turista por semana, não será uma grande produtividade!
Há já sei… Vão-me falar dos estudos e dos grandes planos que existem para a Baía. Redireccionei então a minha busca sobre a matéria e recuei a Julho de 2005, jornal Setúbal na Rede entrevista a então coordenadora do Plano Estratégico de Desenvolvimento do Turismo do Seixal, que identifico como a posteriormente coordenadora do Gabinete de Turismo e actualmente Directora de Projecto de revitalização da Baía – por momentos descanso, tantas promoções consecutivas premeiam certamente um trabalho de excelência.
O pior vem depois, a leitura do que se prometeu à cinco anos:
1. “…/… fundação de um centro de interpretação para contactar com a história do concelho”, o centro seria instalado no Alto Forno da Siderurgia Nacional (sim leu bem na siderurgia) e era a âncora de todo o projecto.
2. “a vinda de vários projectos hoteleiros como um hotel de quatro estrelas na área dos negócios”, vários? Paletes, eu ando no Seixal e é só hotéis!
3. “voltado para pequenas estadias”, há bom, afinal há uma certa modéstia no prometido, são vários hotéis mas é só para pequenas estadias…
4. “São propostas que passarão, brevemente, à fase seguinte de priorizar investimentos e obter financiamentos”, vá lá, não sejam assim, ainda só passaram cinco anos, o que é isso na vida duma pessoa?
5. “…/… o plano assenta na criação de duas rotas turística. Uma denominada “Arqueologia Industrial” voltada para as “pérolas do concelho”, o moinho de maré de Corroios, a antiga Siderurgia Nacional, a olaria da Quinta do Rouxinol ou a seca do bacalhau.” Há afinal o texto era para ter graça… Até aqui não tinha percebido, ora vejamos: vamos construir o projecto âncora do turismo no Seixal num dos sítios mais poluídos do país – a siderurgia nacional – que é, a par da olaria romana do Rouxinol (que a Câmara mandou aterrar) e da seca do bacalhau que a Câmara deixou desmoronar, a pérola do concelho! Estranha forma de tratar as jóias.
6. “o vasto património industrial que existe no concelho “rivaliza com zonas do País Basco, do reino Unido e da Alemanha” …/… No caso da Siderurgia Nacional, “já existe um pedido de musealização do Alto Forno”. Sinto-me esmagado… Mas adiante.
7. “O plano incentiva a criação de uma pousada da juventude e de um parque de campismo, bem como a recuperação de antigas quintas do concelho para turismo de habitação.” E os quatro hotéis, não esquecer.

E pronto, só faltou dizer que o Plano foi encomendado à Universidade de Aveiro, tem 57 páginas e cada uma dessas páginas custou ao município mais de cinco mil euros.
Assim vai o turismo no concelho do Seixal.

5 comentários:

Anónimo disse...

Mas o Seixal tem um posto de Turismo??
Obrigado sr. vereador pela informação, desconhecia por completo.
E o que vendem aos turistas?? Arraiolos, ovos moles de viseu ou postais ilustrados da praia dos tesos?

Anónimo disse...

O posto de Turismo do Seixal aos turistas vende frustrações que é só o que tem para vender. A CDU em maioria na Câmara do Seixal enche os jornais e a televisão sobre eventos turísticos do melhor que há. Apresentam-se na Fil como se o Seixal fosse um concelho turístico. E esta propaganda custa dinheiro e muito dinheiro e sem que disso venha proveito nenhum para o município e para a população.O que é que sente um turista que depois de ler a propaganda chega ao Seixal e encontra um concelho em que os esgotos escorrem para a baía, a água da praia está castanha de sujidade e cheia de verduras de poluição, a maior parte da beira da baia está impregnada de enroncamento que constitui um perigo para quem se quiser aproximar da água, os moinhos de maré que são a paisagem vista do Seixal estão a desmoronar, as ruas estão cheias de dejectos de cão, para confirmar é só percorrer as ruas do Seixal e muitos mais lugares do concelho, a restauração no Seixal está a encerrar, não existe nas freguesias do concelho um hotel digno desse nome, apenas há um numa zona clandestina em Flor da Mata com uma envolvente muito pouco recomendada, um turista quando chega ao Seixal só pode sentir-se frustado. É isso que a Câmara do Seixal vende aos turistas, frustações. Qual é o turista que nestas condições tem vontade de voltar? Nenhum. Também a população em geral se sente frustrada por viver num território de uma rara beleza com condições espectaculares para ser um concelho turístico e devido à má gestão comunista de maioria CDU na Câmara do Seixal tudo está ao abandono, a restauração está a morrer, e muita população mais jovem já abandonou o concelho. Já não se aguenta tão ruinosa gestão na Câmara.

Anónimo disse...

Então não venha dizer que não sabe porque é que a Dita, é como o Sobe, sobe Balão sobe...e não pediu àquela Estrela. É uma Estrela !

Anónimo disse...

Há praí umas quantas estrelinhas que ficam obcecadas com o brilho das Estrelas e da Lua, e depois andam a modos que encandeadas!!

Anónimo disse...

Deixem lá de bater no turismo do Seixal, e na quantidade de funcionarios deste serviço. Se vissem bem na feira do Seixal estavam muitos a guardar as "estátuas" ganhando horas claro está, e os mais simpáticos até serviam de aguadeiros das mulheres ou homens "estátua" afinal até fazem alguma coisa!

Google