Novo ano – Brindem

À CAPELINHA!

«…/… O mais bonito foi verificar que muitos estudantes, quando erguem os copos, ainda usam o velho brinde português "À capelinha!". Ou então recuperaram a tradição, depois de décadas de desprezo.Já me habituei a ficar embasbacado quando um estrangeiro me pergunta qual é o nosso "tchin tchin". Parece que todos os povos têm um menos nós. Lá explico que no Camilo, no Fialho e no Ortigão é sempre "À capelinha!" ou só "Capelinha!", mas que o Eça, por embirração com as raízes coimbrãs, espalhou que deveria ser "Para que viva!". E conseguiu, com essa brincadeira, estabelecer a confusão. Mas nunca acreditam.
Ainda é pior quando explico que "capelinha" é diminutivo do latim capela, capa: capa de estudante ou telhado de taberna. Que é por isso que se chama "capelinhas" às tascas onde se bebe. E nem se fala em abrir o dicionário e ler a definição de capelinha, que diz: "grupo bastante fechado de pessoas com ideias comuns, que se conluiam, que se protegem mutuamente de eventuais ataques exteriores".
Enfim. É pena usarmos brindes importados ("Saúde!"; "À nossa!") quando temos um que é perfeito e que não poderia ser mais português. À capelinha!»

[Público assinantes]
Por Miguel Esteves Cardoso.

3 comentários:

Carmo Torres disse...

Desculpe meter uma colherada neste blogue, mas gostaria de saber a opinião de alguns dos comentadores sobre o seguinte assunto divulgado neste link:http://www.dnoticias.pt/Default.aspx?file_id=dn04011301271209&id_user=
É apenas uma noticiazinha sobre o Governo da Madeira...que talvez se reflicta noutros pontos do país.

Bom ano para todos!!

A Silva&Silva disse...

Seixal: escola básica pede aquecedores há 13 anos.


Professores da EB1 de Arrentela exigem quadro eléctrico que suporte os aquecimentos. Alunos na sala, de luvas e gorro.
Leia mais:

» Docentes denunciam frio nas escolas»
Fonte: IOL

Os professores de uma escola básica de Arrentela, Seixal, reclamam com urgência um novo quadro eléctrico e aquecimentos alegando que não há condições para os alunos estudarem com temperaturas baixas, refere a Lusa.

Professores da escola básica N.º 1 de Arrentela, Seixal, disseram, quarta-feira num sessão pública na câmara do Seixal, que há 13 anos que pedem um quadro eléctrico com capacidade para suportar aquecimentos, recordando que não têm condições para «exigir a crianças de seis anos que trabalhem com 6 e 8 graus às oito da manhã».

«Com o frio que tem estado e logo às oito da manhã é impossível pedir aos alunos para tirarem as luvas e os gorros», lamentou a professora Mariana Casquinho durante a sessão pública.

Há mais de uma década à espera de um novo quadro eléctrico, a coordenadora do agrupamento de escolas de Arrentela considera «inadmissível que os técnicos da câmara municipal já tenham visitado a escola algumas vezes para estudarem o quadro eléctrico e o problema subsistir há 13 anos».

Em resposta, a vereadora da Educação na Câmara do Seixal, Vanessa Silva, afirmou que «na última sessão de câmara já tinham sido aprovadas verbas para a realização das obras previstas para a escola».

Descontente com a resposta, Mariana Casquinho adiantou que «há uma semana atrás a escola não foi fechada pelos pais dos alunos porque os professores se opuseram e prometeram dar-lhes uma resposta concreta por parte da câmara municipal».

«Será que é assim tão difícil colocar-se um quadro eléctrico capaz de dar resposta às necessidades daquelas crianças?», questionou a docente.

O vereador do Urbanismo, Jorge Silva, explicou que a escola funciona num edifício antigo, onde se torna mais difícil instalar um novo quadro eléctrico.

«É com grande tristeza que venho aqui reivindicar estas necessidades básicas que as crianças precisam para aprender, porque inclusive, levei um aquecedor de minha casa para poder minimizar o mal estar dos meus alunos, mas tive que o desligar porque o quadro não aguenta e dispara», repudiou a professora.

A Silva&Silva disse...

Ao senhor J.S.Teixeira, gostaria de perguntar, porque não publicou no seu blogue a noticia sobre a escola EB1 da Arrentela?
Só para saber claro.
Não vai dizer que aquela notícia é falsa, que é invenção da oposição e do Ponto Verde?
Ou será que o dinheiro poupado nesta passagem de ano no fogo-de-artifício, será para equipar aquelas salas de aulas com aquecimento para as crianças?
É só mesmo para ficar informado.

Google