A verdade que precisa de ser dita

O complexo de esquerda de uma minoria no interior do PS tem contribuído para entregar o governo do país à direita.

Álvaro Cunhal dividia os socialistas em bons e maus. Bons eram os que criticavam Mário Soares e maus eram os que o apoiavam. Francisco Louçã usa a mesma táctica em relação a José Sócrates.
Estamos no tempo certo para mobilizar os militantes de base do PS para o combate político contra a extrema esquerda, que tudo tem feito e continua a fazer para entregar o governo do país à direita.

A extrema esquerda subiu à custa do PS, porque as bases do PS, estão adormecidas e distantes do combate político.
Os dirigentes do Partido Socialista também não têm combatido com determinação os marxistas-leninistas, stalinistas e trotkistas, por receio de provocarem uma cisão no Partido e no grupo parlamentar.


Manuel Alegre que nos anos setenta esteve sempre ao lado de Mário Soares, na luta contra a extrema esquerda, reuniu-se duas vezes, com os trotkistas e stalinistas do BE, para combater o governo do PS.
Há sempre gente no PS disponível para o destruir por dentro (são o eco dentro do Partido do que pensam os extremistas), com a argumentação de que o Partido está a ir muito para a direita.Foi assim com Manuel Serra e Carmelinda Pereira, no congresso de 1974, em que conseguiram 40% dos votos para a Comissão Nacional.
No final dos anos setenta Lopes Cardoso e outros militantes que o acompanharam, combateram o PS por dentro, acabaram por sair do Partido, fundaram a U.E.D.S: que foi a eleições em 1979 e não conseguiu nenhum deputado. A AD de Sá Carneiro e Freitas do Amaral, ganhou com maioria absoluta.

Para as legislativas de 1980, Mário Soares, na tentativa de derrotar a AD, fez uma coligação com a U.E.D.S. de Lopes Cardoso e com a ASDI, a Frente Republicana Socialista. Não resultou e a AD de Sá Carneiro e Freitas do Amaral voltou a ganhar com maioria absoluta.
Lopes Cardoso e os seus camaradas da U.E.D.S., voltaram ao PS e nunca mais se manifestaram mais à esquerda do que os outros militantes. Existem ainda hoje muitos militantes que foram da U.E.D.S, mas ninguém mais falou nisso.

No Principio dos anos. Foi a luta ex-secretariado/Mário Soares por causa do presidente Ramalho Eanes, este acabou por formar um partido, o PRD de má memória, mas que fez uma grande moça no PS nas legislativas de 1985 (20% dos votos). Originando uma maioria simples do PSD de Cavaco e Silva. Em 1987 o PRD (18%), apresentou uma moção de censura ao governo de Cavaco, apoiada pelo PS, que venceu no parlamento e o Governo caiu.
Marcadas novas eleições em 1987, o PSD/Cavaco Silva, ganhou com maioria absoluta e em 1991, voltou a ganhar com maioria absoluta. Foi um longo período com a direita a governar, por culpa das divisões internas dentro do PS e o complexo de esquerda de uma minoria de militantes que existe sempre no interior do PS.

Sempre que o PS está numa posição maioritária e em condições de governar, aparecem militantes que se dizem mais à esquerda , fazendo eco das posições da extrema esquerda, não contribuindo em nada para a aplicação das políticas de esquerda, mas sim para entregar o poder à direita.
Álvaro Cunhal dividia os socialistas em bons e maus. Bons eram os que criticavam Mário Soares e maus eram os que o apoiavam. Francisco Louçã usa a mesma táctica em relação a José Sócrates.

Estamos no tempo certo para mobilizar os militantes de base do PS para o combate político contra a extrema esquerda, que tudo tem feito e continua a fazer para entregar o governo do país à direita.

Manuela Ferreira Leite poderá continuar sossegada em casa na pré-campanha eleitoral que Francisco Louçã tem feito o trabalho por ela, percorrendo todo o país a dizer mal do PS e nunca dizendo uma palavra contra a direita. Francisco Louçã esforça-se para que o
PSD ganhe as próximas eleições legislativas,disso eu não tenho nenhuma dúvida.
Só que há uma pequena minoria no PS que tem complexo de esquerda e são o eco dentro do partido dos trotskistas e dos stalinistas e mais tarde ou mais cedo entregam o país à direita. A história diz-nos que esta exigência do PS ir mais para esquerda tem sempre o efeito contrário, o país vai sempre para a direita.

Há hoje, dentro do PS, militantes, dirigentes e candidatos a deputados que apoiaram Manuel Alegre no congresso de 2004, dizendo-se mais à esquerda, mas hoje já compreenderam que o PS, liderado por José Sócrates é a esquerda possível e nunca mais falaram nessa questão.

José Bastos - PS Montijo

1 comentário:

Flaminguito disse...

O Ridiculo Sr. JS Teixeira:

http://flamingozito.blogspot.com/

Google