A Câmara charmosa

A Câmara Municipal do Seixal continua a sua operação de charme junto dos novos habitantes da Quinta da Trindade.
A Câmara do Seixal, depois de ter acolhido os seus novos munícipes, brindando-os com o “episódio contadores”, em que, de forma incompreensível, resolveu colocar um contador comum(!) para todos os apartamentos, já depois de ter colocado os contadores particulares, entretanto removidos.
A Câmara justificava-se com o facto das normas não estarem preparadas para o novo conceito – condomínio fechado – daí a fazer um interpretação/adaptação ilógica da norma, foi um fôlego.
O que é certo, é que o episódio motivou o desagrado dos moradores, acabando os mesmos, por se insurgir em Assembleia Municipal.
Ultrapassada esta recepção de boas vindas aos novos seixalenses, vem a Câmara, com o seu charme inconfundível brindar os moradores do outro condomínio, que entretanto cresceu junto ao anterior, com mais um episódio, desta vez, o “episódio dos molokes”.
Os molokes são contentores semi-enterrados, neste caso, junto aos condomínios. Estes dispositivos de recolha de resíduos vêm fechados e supostamente deveriam ser abertos à medida que os condomínios vão sendo habitados. Tal não tem acontecido, pois a Câmara resiste em abrir os que estão situados junto ao novo condomínio, inviabilizando a sua utilização, acabando por gerar níveis preocupantes de insalubridade.
Mais grave se torna o episódio, quando sabemos que os moradores têm tentado explicar a gravidade da situação ao Executivo, que após várias diligências encetadas, lá vem respondendo de favor, que não os abre, pois o condomínio não tem gente suficiente a habitar que justifique a sua abertura.
A bondade dos argumentos cai imediatamente por terra, pois o condomínio encontra-se habitado a 80% (80% de 78 apartamentos). A Câmara devia sabê-lo, ou não recebesse ela o IMT correspondente.
É a arte da Câmara do Seixal, de bem receber, os seus novos filhos.
A Câmara também não se esquece de aplicar a respectiva taxa de tratamento de resíduos, aos moradores do “condomínio dos molokes fechados”, e os mais atentos certamente saberão que a taxa, seja ela qual for, pressupõe um sinalagma, i.é, uma bilateralidade – paga-se mas recebe-se uma contrapartida directa, neste caso, a recolha e tratamento dos resíduos.
Alguém está em falta, adivinhem quem!

3 comentários:

Anónimo disse...

os meus parabéns ao candidato à JF da Arrentela pela política de proximidade que tem desenvolvido.

Jorge Pietta disse...

Será que não está na altura de alguns senhores da camara do seixal se inscreverem no programa "Iniciativa - Novas oportunidades - Adultos" ?

Ana disse...

Parabéns ao Sardinha, candidato do PS em Fernão Ferro.

Google