Autarca de Sines anuncia desvinculação do PCP

Ontem foi publicada, no site da rádio TSF, a seguinte notícia que dispensa mais comentários.

"O autarca de Sines anunciou a sua desvinculação do PCP devido a «recriminações e acusações» lançadas contra si por causa da sua acção de autarca. Manuel Coelho diz que estas recriminações são «absurdas, idiotas, insuportáveis e não mais toleráveis».
O presidente da Câmara Municipal de Sines anunciou, esta terça-feira, a sua desvinculação do PCP, no qual militava há 35 anos, na sequência de «recriminações e acusações» do partido em relação a decisões tomadas enquanto autarca.

Em conferência de imprensa, Manuel Coelho explicou que comunicou pessoalmente a «três elementos dirigentes do partido» esta sua decisão no sábado, «após uma discussão semelhante a outras e que levou, inevitavelmente, a esta decisão».

O autarca, que está a cumprir o seu terceiro mandato, considerou as recriminações e acusações de que foi alvo em reuniões partidárias como «absurdas, idiotas, insuportáveis e não mais toleráveis».

Manuel Coelho disse ter sido questionado sobre os motivos pelos quais tem comparecido nos «actos de cerimónia do senhor primeiro-ministro» ou sobre «o que disse, ou quis dizer, em entrevistas sobre o interesse dos investimentos em Sines».

Estes factos levaram-no a uma «análise dos fundamentos ideológicos, da estrutura, dos programas e das práticas políticas do PCP», o que o levou à decisão de desvinculação que anunciou esta terça-feira.

«Concluo que este partido está impregnado de um conjunto de características típicas de organizações dogmáticas, com disciplina de caserna, que o tornam uma organização estalinizada, com práticas reaccionárias, envolvidas de um discurso pretensamente progressista, mas, de facto, retrógrado», concluiu."


Comente, o seu comentário será publicado no jornal Comércio do Seixal e Sesimbra.

7 comentários:

Anónimo disse...

mais uma excelente reflexão:
"O PCP entende que é dono das coisas e que temos que ter uma subordinação cega e acéfala às estratégias nacionais e o resto são instrumentos ao seu serviço, mas eu não concordo", apontou Manuel Coelho.

João Afonso disse...

Mais um que quer taxo, e como no PCP não há taxos, está-se a encostar ao PS. E como o objectivo dele é o taxo no PS nada melhor do que criticar o PCP com os chavões tipicos dos ditos socialistas do PS. E daí as criticas que faz ao PCP.
Vai ser bonito é o aparelho do PS em Sines que disse "cobras e lagartos" deste senhor, vir agora dizer que o mesmo é um "poço de virtudes" e o melhor candidato do mundo a Presidente da Câmara de Sines e por isso o PS vai apoiar. Isto só demonstra duas coisas o PS é um partido sem verticalidade, sem valores e sem ideiais! E quem quer taxos nada melhor do que se encostar ao PS! Não é verdade senhor veredor?

José Carlos Pereira disse...

Em 1974 houve a revolução dos cravos, em 2009 no Seixal, existirá a revolução dos votos.
Urge, para bem do concelho do Seixal e dos seus munícipes, deixar de ser governado por uma força política (Partido Comunista), aonde os interesses partidários, estão acima de qualquer outro.
Este Ex. Militante do PCP e autarca de Sines, retrata bem, a forma de actuar à muito conhecida, do partido comunista.

Seixalense Atento disse...

Isto mais não é, que o resultado de um partido comunista caduco e controlador.
E para mal do distrito de Setúbal, os destinos de algumas câmaras, está nas mãos deste partido.
Mas como diz o ditado, mais vale tarde que nunca, e neste distrito está-se perante uma realidade à muito prevista, ou seja vão perder o poder.
Não foi por acaso que o autarca de Setúbal e militante (Carlos Sousa) saiu do Partido Comunista a exemplo de, em 2007 dois presidentes de Junta (comunistas) de Santarém, e ainda esta semana foram mais quatro dirigentes do Sindicato dos Professores do Norte.
E agora o Presidente da câmara de Sines, evocando o seguinte: intromissão do «partido» nos assuntos da autarquia que dirige. E desabafou: «Concluo que este partido está impregnado de um conjunto de características típicas de organizações dogmáticas, com disciplina de caserna, que o tornam uma organização estalinizada, com práticas reaccionárias, envolvidas de um discurso pretensamente progressista, mas, de facto, retrógrado».
E o Seixal não foge à regra, pelo contrário, é o partido comunista que a dirige e principalmente nas negociatas com grupos económicos, como exemplo o grupo A. Silva e Silva.
Concluindo em resposta ao Sr. João Afonso, no PCP e em particular no Seixal, não há tachos, mas sim panelas e das grandes, pensa que os mais atentos não sabem, quantos assessores estão na câmara do Seixal, militantes comunistas de outros concelhos e distritos, olhe um dos últimos vindos de fora o Sr., Aranha.

Miguel disse...

Há algo que essa transcriçao não diz: o PCP/CDU exigiu que o presidente da câmara de sines saisse porque, na opiniao deles, "quem foi eleito foi a CDU e nao o autarca"...
Para os mais distraidos, este senhor é presidente em sines há três mandatos! Mas para a CDU, os eleitores nao votam na pessoa. Sao pontos de vista inquinados.

Daniel Geraldes disse...

Eu quero é saber quem é que manda no Seixal, já que o Alfredo Monteiro não manda?

João Afonso Cabral disse...

O autarca de Sines é mais um. Não foi o primeiro a abandonar e não será o último a saír antes das eleiçoes autárquicas.
No Seixal, é óbvio que o Alfredo não vai saír antes mais já tem saída prevista para Outubro.

Google