PS - Pelo Seixal

Porque o que se passa no interior dos Partidos e da vida partidária, na medida em que se destina aos cidadãos, deve ser do conhecimento de todos, aqui deixo (apesar da sua extensão) a moção sectorial PS - Pelo Seixal que apresentei, no passado fim-de-semana, no XIII Congresso Distrital de Setúbal do Partido Socialista.

INTRODUÇÃO

O PS/Seixal sempre foi, e é, o motor de um pensamento ideológico de esquerda democrática, convicto e ciente das necessidades e anseios da população no nosso concelho.
Na nossa estrutura partidária há largos anos que sabemos o que está errado no Seixal e apresentamos soluções para melhorar esses desacertos da eterna liderança comunista. Infelizmente, até hoje, a população não reconheceu esse esforço e não nos deu a oportunidade de poder fazer, mais e melhor.
Estamos contudo, convictos de que hoje estamos mais capazes do que nunca, e que a população do nosso concelho para além de sentir essa necessidade de mudança, acredita também nas nossas capacidades. Estão pois criadas as condições para conseguirmos fazer frente àqueles que julgam a sua liderança eterna.
Mas para que a desejada mudança aconteça teremos que ter a sagacidade de sabermos apresentar-nos ao eleitorado não só como uma força capaz mas também, e fundamentalmente, como uma força una e coesa.

DA ORGANIZAÇÃO INTERNA
É necessário criar condições para que tal aconteça, e essa responsabilidade cabe-nos antes de mais a nós que somos PS. As mudanças estatutárias preconizadas na Moção Global de Estratégia: Servir Setúbal – Pelas causas do Socialismo, são imperiosas. Subscrevemo-las por inteiro e estaremos ao lado Camarada Vítor Ramalho na sua defesa intransigente.
Mas para a que desejada vitória aconteça, também a nível local é necessário que interiorizemos as mudanças necessárias. «Brecht disse, um dia, que o socialismo era uma coisa muito boa, mas que fazia os pés frios. Porque os socialistas reuniam-se à noite com os operários, em salas frias, sem aquecimento, e tinham de estar sentados, sem actividade, ficando, normalmente, com os pés frios. Eu lembro-me, muitas vezes, de ficar com os pés frios em muitas reuniões.» Tal como o Camarada José Sócrates, autor da frase que transcrevi, todos sabemos o que isso é, no entanto não nos devemos resignar. Urge criar uma estrutura concelhia única, forte e dotadas de meios. Se o conseguirmos fazer sem roturas mas com a determinação necessária, poupamos dinheiro, racionalizamos os meios, ganharemos em criatividade e no debate de ideias.
Neste desafio contamos com a solidariedade distrital que se impõe, sentimos em consciência que o concelho do Seixal é merecedor de uma maior importância e representatividade no panorama distrital e nacional do PS. Somos o segundo concelho que mais votos dá ao partido no distrito e segundo os resultados deste Congresso Distrital, a estrutura concelhia mais participada.
Assim, o sentido biunívoco da palavra Solidariedade adquire nesta matéria, mais do que o seu sentido ético incontestável, um significado de inteligência imperioso. Convém, sobre esta matéria, não esquecer que a Câmara Municipal do Seixal é a Câmara de poder comunista com maior orçamento em todo o país e que é no concelho do Seixal que está sedeada a Festa do Avante. Por isso é também no Seixal que segundo as contas publicadas das últimas eleições autárquicas o PCP mais dinheiro e meios investe!
Conhecemos o nosso contributo para o resultado final, experimentamos o empenho e esforço necessário para o atingir diariamente, pedimos, pois o sentimos como justo, o merecido reconhecimento.
Não podemos neste momento deixar de lamentar a falta de um deputado eleito pelo distrito de Setúbal, oriundo da estrutura Socialista Seixalense, não o fazemos por qualquer sentimento de despeito, apenas o referimos porque sentimos a necessidade dessa representatividade no nosso combate político, quer pela capacidade de intervenção reforçada que tal realidade confere, como pela facilidade de acesso aos canais de comunicação que concede.

DO COMBATE POLITICO
Não assumimos uma posição sectária sobre a luta da esquerda no nosso concelho, mas sabemos que há duas maneiras diferentes de fazer as coisas: a realidade actual e o fazer bem. Hoje, mais do que nunca, devemos cerrar fileiras e isso não é mais do que revermo-nos todos nas políticas a curto prazo que devem ser adoptadas e nas prioridades que teremos de passar a cuidar de forma permanente. E estas prioridades não são mais do que a boa gestão da coisa pública sem esquecer os mais fracos e oprimidos, não com politicas de facilitismo ou clientelistas, mas com políticas de justiça e responsabilização.
Cientes do nosso objectivo temos que agregar o partido em torno de um objectivo comum, convergindo esforços para conseguir mobilizar os cidadãos, criando a necessária dinâmica de vitória municipal e porque não, distrital.
O PS é um partido estruturante da democracia portuguesa, portador de princípios, valores e objectivos que se mantêm mais vivos do que nunca. Há que mobilizar o PS para os desafios que se aproximam e lutar pelas causas do socialismo democrático e pelo seu ideário. É necessário dignificar a política, pois o futuro é hoje, mais do que nunca, o do Socialismo democrático e é para ele que trabalhamos.
Nesse sentido, há que criar uma plataforma capaz de entender e debater os problemas, privilegiando a voz construtiva daqueles que saibam explanar e justificar as escolhas, preferencialmente trazendo até nós todos aqueles que empenhados, declinam a lógica partidária tradicional. A atenção às novas tecnologias e a criação de fóruns de discussão supra partidários é pois uma necessidade emergente.
Da obra já feita ou anunciada e que veio beneficiar o concelho do Seixal, convêm destacar o novo Aeroporto; a travessia do Tejo Chelas-Barreiro; a plataforma logística do Poceirão e o metro sul do Tejo, entre outros, de menor dimensão, mas de não menos importância, nomeadamente na área social.
A um nível mais directo no concelho, destacamos a construção da Escola Dom Nuno Alvares Pereira e do Centro de Saúde Moinho de Maré, assim como o compromisso, já assumido, da criação do novo Centro de Saúde Corroios - Extensão de Vale de Milhaços e, é claro, do novo Hospital do Seixal, que sendo originariamente uma reivindicação Socialista será também certamente uma realização Socialista.
Há que incutir nos eleitores a ideia de que, nas eleições a única alternativa ao PCP no distrito é o PS, visto que a direita nunca ganhou nenhuma Câmara e os votos do BE nas autárquicas são votos perdidos (como, por exemplo, se viu em 2005, em Sesimbra, onde obteve 10,6% de votos, mas não conseguiu eleger um só vereador), é esta ideia explanada na moção global que hoje aqui discutimos e a nossa adesão a ela é, como não podia deixar de ser, total.
A prova mais clara de que no Seixal é possível mudar a tendência de voto autárquico, desde sempre maioritário para o PCP, é o quadro do resultado das eleições legislativas de 2005. O PS conseguiu obter mais do dobro dos votos do PCP (ver quadro). Então, se assim foi, este eleitorado existe e é recente. Como se explica então que estas mesmas pessoas que assim destinaram o seu voto não o usem de igual modo para mudar tudo o que de mau vai por este Seixal. E tanto há para mudar. É por isso que apelamos aos eleitores para que não se abstenham no dia das eleições autárquicas e dirijam o seu voto para a alternativa democrática socialista. É fácil, basta quererem ter uma qualidade de vida melhor no sítio onde realmente interessa: onde vivem!
O adversário do PS no Seixal é mais do que o PCP/CDU a abstenção, a maior do país aliás em eleições autárquicas.

Resultados 2005 Votos Seixal

PS 32899 43,48%
PCP-PEV 14011 18,52%
PPD/PSD 12666 16,74%
B.E. 7990 10,56%
CDS-PP 4267 5,64%
PCTP/MRPP 763 1,01%
PND 390 0,52%
PH 220 0,29%
PNR 206 0,27%
POUS 96 0,13%

Acreditamos pois que estão reunidas as condições para que o Partido Socialista seja poder no concelho do Seixal já no próximo ano e o arranque dessa caminhada faz-se aqui hoje, com a aprovação desta Moção.
Seixal, 7 de Novembro de 2008

2 comentários:

Jorge Pietta disse...

http://porcatudonamesma.blogspot.com/2008/11/o-seu-voto-importante.html#links

Rogério R. disse...

"...Urge criar uma estrutura concelhia única, forte e dotadas de meios. Se o conseguirmos fazer sem roturas mas com a determinação necessária, poupamos dinheiro, racionalizamos os meios, ganharemos em criatividade e no debate de ideias."

Plenamente de acordo Samuel. Já não existe qualquer razão, nem faz qualquer sentido a existência de secções.

Os ganhos serão muito maiores. Acima de tudo na organização interna do partido.

Google