Novo aeroporto: Governo quer aproveitar antigos terrenos industriais para aliviar pressão imobiliária

2008 LUSA - Agência de Notícias de Portugal, S.A.
Novo aeroporto: Governo quer aproveitar antigos terrenos industriais para aliviar pressão imobiliária
2008-07-22 17:17:15
Lisboa, 22 Jul (Lusa) - O Governo quer criar parcerias com as autarquias da Margem Sul para tirar partido de terrenos industriais abandonados e aliviar a pressão imobiliária associada à construção do novo aeroporto em Alcochete, anunciou hoje o ministro do Ambiente.

O objectivo é "requalificar áreas que estão sub-utilizadas na Margem Sul" para "construir cidade com qualidade", explicou Francisco Nunes Correia que participou hoje numa reunião do Fórum Metropolitano Lisboa 2020 para debater os problemas da energia e os seus efeitos no desenvolvimento da Área Metropolitana de Lisboa

"Em vez de desbravar novas áreas, é melhor usar áreas industriais abandonadas. Há terrenos nessas condições em cidade como o Barreiro, Seixal, Almada, que são ideais para a construção de áreas urbanas qualificadas", salientou o governante.

Questionado sobre a possibilidade de fazer novos estudos que fundamentem a necessidade de construir um aeroporto que substitua a Portela, face à escalada dos preços dos combustíveis, Nunes Correia considerou que "a localização está decidida" e que os estudos que importa agora fazer devem incentivar os transportes públicos.

"O preço do petróleo deve é influenciar no sentido de reforçar os transportes públicos" que vão servir o novo aeroporto, acrescentou o ministro.

RCR.

Lusa/fim

2 comentários:

Anónimo disse...

Ora finalmente a luz verde que faltava para transformar os parques industriais da SN e Quimiparque nos projectos imobiliários tão ansiados pela CMS e CMB e, claro está pelas administrações das empresas que gerem os parques.

Venham de lá mais prédios, até porque é coisa que falta por estas bandas!

Dinamizar parques industriais, criar condições para a fixação de empresas, apoiar start-ups, nada! Dá menos trabalho empinar tijolo, e as mais-valias são imediatas!

Carissimo vereador, já vimos que este modelo de desenvolvimento assente no "pato bravo" não leva a lado nenhum e é por isso que todos os dias se assiste à deslocação de milhares de pessoas a caminho de Lisboa, Oeiras e afins.

Ainda que se perceba a boa intenção do governo no sentido de aliviar a pressão imobiliária sobre o novo projecto de aeroporto, a verdade é que nem deveríamos conceber que essa pressão existisse. Afinal, não estamos a falar de um projecto imobiliário mas antes de um projecto estruturante para o país!

Anónimo disse...

Mas é preciso ter cuidado, não vá o Presidente da Republica comprar uma casinha de férias ali na região, e interditar o espaço aereo por motivos de segurança durante a sua estadia na referida casa!!
HS

Google