Morreu Amélio dos Santos

Na passada sexta-feira fui, de novo, surpreendido com uma daquelas notícias que nunca queremos ouvir. Morreu o Sr. Amélio.
A primeira vez que o vi foi numa Assembleia Municipal, onde, durante o período aberto à população, defendia acerrimamente e devidamente fundamentado com a sua exaustiva pesquisa, o direito da Ponta dos Corvos ser integrada na "sua" freguesia do Seixal. Nesse dia, ao longo duma extensa intervenção, várias vezes foi interrompido pelo Presidente da Mesa que lhe repetia: "O Sr. Munícipe tem que terminar". Depois duma destas interpelações, Amélio interrompeu o seu raciocínio e dirigindo-se ao Presidente da Mesa replicou: "Vê lá se te calas que já estou farto de te ouvir e ainda sou teu tio pela parte da tua mulher!" É este o Sr. Amélio que guardarei na memória, interessado na causa pública, estudioso e corajoso.
Mais tarde, através do Vereador Menezes Rodrigues, vim a saber que o Sr. Amélio era uma verdadeira lenda viva nos idos de cinquenta do século passado no Seixal. Terá passado de boca em boca a rixa em que Amélio se envolveu no estádio do Bravo por esses anos, e aquando da chegada da Guarda a sua espectacular fuga saltando a barreira de elevado declive que separa o Estádio do núcleo urbano do Seixal.
Não tanto por estas aventuras, mas por outras de cariz mais político, já referenciado pela policia política, Amélio acompanhado da família emigrou para o Canadá e mais tarde para os Estados Unidos, onde continuou a sua luta política, financiando os movimentos oposicionistas e, ele próprio, organizando núcleos de Portugueses que inevitavelmente se tornavam pólos agitadores contra o regime instalado.
No estrangeiro elevou sempre bem alto o nome de Portugal e o do "seu" Seixal através do seu ofício, carpinteiro naval, profissão que exercia com mestria.
Aprendeu o seu ganha-pão na praia do Seixal, como fazia questão de frisar, mas trabalhou com reconhecimento, nos mais prestigiados e luxuosos estaleiros de barcos de recreio.
Com os alvores da Liberdade voltou à sua terra e exerceu o cargo de Presidente da Junta de Freguesia, que se designava ainda Regedor, no período que antecedeu as primeiras eleições autárquicas. No entanto, desiludido com o rumo que a Revolução tomava rumou de novo ao caminho do auto-exílio.
Já reformado volta à sua terra, desta vez apenas empenhado em defender a integração da Ponta dos Corvos na freguesia do Seixal e na defesa das alfaias do seu ofício, mal representadas na heráldica do concelho do Seixal, talvez numa representação criada por quem fosse mestre de outros ofícios...
Sendo a generosidade seu timbre, não posso, por fim, deixar de recordar a ocasião em que sabendo-me praticante de vela me visitou no meu gabinete, trazendo consigo uns sapatos de vela de elevada qualidade que guardava das aventuras além-mar, por isso, mas acima de tudo pelo exemplo, aqui fica o meu muito Obrigado Sr. Amélio com a firme promessa que continuarei a sua Luta.
Hasta la Victoria, Siempre!

4 comentários:

Anónimo disse...

Talvez nos faça pensar que um dos verdadeiros problemas da nossa sociedade é que os "Srs. Amélios " estão a desaparecer, e a ser substituidos por Suas Exas, Exmos Srs Drs., e afins.
A questão não está no lado positivo de uma maior universalização do Ensino Superior, mas sim numa menor aplicação, a partir do Berço, da Educação, dos Valores, daquilo que deve ser incutido através da família, do meio ambiente social.
A verdade é que poucos, infelizmente,mesmo muito poucos, Srs. Amélios conseguiram deixar a sua Herança e manter vivas as suas ideologias, crenças e até ideossincrasias, para além da sua existência física.
Caro Vereador, um Mundo sem ideologias é um mundo doente, a caminho da sua destruição, criando sociedades autofágicas, espero que realmente continue a luta do Sr. Amélio e que ilumine, mesmo que temporáriamente e apenas com um relampejo, este tempo cada vez mais escuro. Que todos nos possamos lembrar dos Srs. Amélios que cruzaram as nossas vidas, trazendo-nos claridade na nossa visão do Mundo.
Um abraço
HS

Anónimo disse...

Conheci o Sr. Amélio na sua pequena, mas bem apetrechada, oficina que tinha na marginal do Seixal. Convite feito a entrar, a conversa revelou uma história de vida exemplar, rica em episódios de genuina coragem, determinação e convicções.

Os seus arquivos e documentos não se resumem à sua vida, dedicada à luta pela libertação dos Portugueses, financiando o Partido Comunista de distantes lugares. Ainda assim, o seu sonho e os seus pensamentos embrenhavam-se na história do local que o viu crescer: o Seixal.

Estudava os assuntos do Seixal e falava deles com uma paixão incrível. Justificava os seus argumentos de forma extenuante. Era um profundo conhecedor do Seixal e da sua história!

Lembro sobre os brazões os seus estudos, que me elucidaram sobre alguns enganos que continuo a ver por aqui e por ali, e que outros não escutaram com a devida atenção, especialmente aqueles que mais lhe deviam (PCP no Seixal).

Falou com mágoa do desprezo a que estava votado, por continuar fiel aos seus ideais e convicções, que julgou até ao fim estarem corrompidos pelo seu antigo partido.

A sua luta deverá continuar! Muitas das suas preocupações sobre o Seixal são, de certeza, partilhadas por muitos cidadãos.

Enfim, evitando a política neste momento de pesar, relembro o seu desejo de ver os seus trabalhos expostos e divulgados nas escolas do Seixal, dando a conhecer a história e as histórias do seu Seixal. Por nunca ter trabalhado no Concelho, ficou a minha promessa por cumprir, mas espero que agora se abra o merecido espaço para divulgar o enorme espólio de quem tanto dedicou da sua vida pela Terra.

Rita Santos
JS Seixal

Ponto Verde disse...

É com muita consternação que leio esta notícia , o senhor Amélio era uma referência na luta contra a prepotência e a mediocridade reinante no poder da Câmara do Seixal e por isso ¨persona non-gratae¨.

Era um exemplo vivo de trabalho e de intervenção civíca . Caro Amélio ,vou sentir falta dos dossiers e das fotocópias que por mão amiga me fazia chegar sobre os desmandos desta autarquia e que , acabou por tanto o prejudicar...

Faltam Amélios com memória nesta terra cada vez mais governada pelo esquecimento e minada por quem não tem amor a este rio, aos pinhais , aos campos e ao seu património e tradições.

Mas a sua luta , o seu exemplo e a sua memória garanto que vão continuar enquanto reinar a ditadura, o oportunismo e a corrupção que tanto o agastavam.

Samuel Cruz disse...

Mão amiga fez-me chegar as seguintes correcções a este Post:
1. O Sr. Amélio não terá desempenhado as funções de Regedor, cargo que aliás já não existia nestá época. Não sendo no entanto certo as funções que terá desempenhado na Comissão Administrativa em funções entre a Revolução e as primeiras eleições democráticas.
2. A estória no campo de futebol ter-se-à passado com um Seixalense apelidado de "calminhas".
Feitas as correcções, em nada sai beliscada a personalidade do Sr. Amélio.
Bem hajam,

Google