Os Números Ocultos


Os números nem sempre espelham a realidade, é verdade que servem para nos ajudar a conhece-la, mas é necessário saber analisar, enquadrar e interpretar. É como aquela velha história da estatística se em média cada português come 1 frango... quem comeu o meu?
Foi notícia de capa no Comércio do Seixal e Sesimbra - "Seixal em 17.º lugar no ranking dos melhores municípios"; acreditem que fiquei admirado, pensei ... será um ranking de qualidade de vida? Não! Era impossível!
Segui pelo subtítulo, e referiam-se ao Anuário Financeiro dos municípios portugueses de 2006, e quero salientar que este Anuário merece-me toda a credibilidade. Questionei-me, se a Câmara Municipal do Seixal goza de boa saúde financeira, como é possível não existir obra feita na mesma proporção, pelo desde sempre executivo Comunista?
Bem... eu poderia ter um grande ordenado e caso o não soubesse gerir, certamente não compraria aquilo que o ordenado podia permitir. Por outras palavras, e sucintamente, saúde financeira não é sinónimo de boa gestão financeira.


Desfolhei o jornal e fui directo com bastante curiosidade à notícia em causa, que trazia vários indicadores e posições em ranking's, favoráveis e desfavoráveis à Câmara Municipal do Seixal.
Verifiquei que um dos ranking's em análise se chamava "Independência Financeira" e a Câmara Municipal do Seixal estava num honroso 5.º lugar, para uma melhor análise fui consultar o referido "Anuário".
Para quem lê na diagonal e vê Seixal 5.º lugar em Independência Financeira, pensa Óptimo, parece-me bem, boa notícia ...
Mas não é nada disso, este 5.º lugar significa que a Câmara Municipal do Seixal é das que mais penaliza os seus habitantes em Taxas, passo a explicar:
Independência Financeira significa maior peso das Receitas Próprias, do que transferências do Estado. O executivo Comunista tem de receitas próprias cerca de 80% e estas resumem-se praticamente todas à cobrança de água, taxas e impostos. Assim com tanta receita penalizando os munícipes seria fácil fazer um bom trabalho, mas nem assim com tanta receita este executivo o consegue.
O leitor dirá, - mas ainda assim no Ranking global a Câmara está em 17.º lugar !
Pois está – digo eu – mas o grau de penalização que Câmara impõem ao munícipes, não está ponderado no ranking global.
Ou seja, se o indicador de independência financeira estivesse devidamente contemplado e ponderado na óptica do munícipe, o resultado seria bem diferente.
O Ranking global apenas significa saúde financeira, apesar de ser às custas da população, ela existe. Assim os munícipes podem e devem exigir mais e melhor do executivo da nossa Câmara.
Imagine um cenário onde um Governo lhe cobrasse os impostos de forma discricionária, não existiriam problemas de défice até permitia realizar dois aeroportos, duas novas pontes e até retirar todas as portagens, se soubéssemos gerir!
Cobrar é fácil, mas para Gerir e Governar é necessário empenho e Competência.
Desmitificados os números, alerto os munícipes para forma como o executivo Comunista gere os nossos impostos!


Uma coisa vos garanto, o Partido Socialista fará melhor!

Bruno Ribeiro Barata – Economista Membro do Secretariado da Concelhia do Seixal do Partido Socialista

3 comentários:

Ponto Verde disse...

A ¨saúde financeira¨ também está reflectida no deferimento de algumas despesas presentes como os recentes empréstimos ou o contrato ruinoso com o Grupo A.Silva & Silva no que concerne ao futuro edificio camarário e as já construídas oficinas.
É como se eu hoje transbordasse de vitalidade financeira à custa de dividas que contraí para serem pagas pelos meus filhos...e netos...

Anónimo disse...

blá, blá ,blá. EXPIQUEM AGORA ISTO...As câmaras municipais algarvias são as que cobram mais impostos e taxas por habitante, segundo avança o Jornal de Negócios desta quinta-feira. Albufeira(PSD),Lagos(PS) e Loulé (PSD) estão no topo da lista, com uma receita fiscal média entre 900 e 1000 euros por habitante...

VÃO DE NOVO CONSULTAR O ANUÁRIO E DESMISTIFIQUEM OS NÚMEROS OUTRA VEZ...

Anónimo disse...

"Ou seja, se o indicador de independência financeira estivesse devidamente contemplado e ponderado na óptica do munícipe, o resultado seria bem diferente."

A isto se chama uma pérola de pensamento. Portanto o estudo devia considerar a opinião de cada um de nós, ou seja, se tivessem consultado por exemplo os militantes do PS Seixal, os resultados tinham sido outros, brilhante.

Google