No Jobs for the Girls


Goya - Retrato da Marquesa de Santa Cruz


Uma das minhas primeiras tarefas, quando assumi o cargo de Vereador da Câmara Municipal do Seixal, foi, naturalmente, inteirar-me do seu organigrama.
Lembro-me que na altura o serviço que mais me surprendeu se designava, e continua a designar, "Serviço de Leituras do Diário da República".
A razão desta surpresa, é que desde o meu primeiro dia como Advogado Estagiário me habituei a que a primeira coisa a fazer ao chegar ao escritório é, justamente, ler o Diário da República, algo que demora, em média, 15 minutos. Ora, a questão que se me colocou de imediato foi: se existe uma jurista na Câmara Municipal do Seixal que apenas lê o DR, e isso demora mais ao menos 15 minutos todos os dias, o que fará ela as restantes 6 horas e 45 minutos do dia de trabalho?
Cabe aqui explicar que nesta rotina diária do Advogado "marcávamos" (conjugo o verbo no passado já vão perceber porquê), os diplomas que nos pareciam de maior interesse, e mais tarde alguém se encarregava de os fotocopiar e arquivar na respectiva pasta de legislação. Naturalmente, o procedimento na Câmara deveria ser cada serviço receber a legislação que lhe dissesse directamente respeito, depois de previamente seleccionada pela Douta Jurista.
Desde esse primeiro dia passaram quase três anos. Como até ao meu Gabinete nunca nenhum diploma legal chegou, com origem no referido Serviço de Leituras do Diário da República, as minhas dúvidas sobre a utilidade do serviço adensaram-se e, naturalmente, a curiosidade também...
Tentei perceber o que se passava e, então, a realidade ultrapassou a ficção!
É que, desde o dia 31 de Dezembro de 2006 que o Diário da República deixou de ser publicado em versão papel, passando a estar disponível, exclusivamente, em versão electrónica, ou seja, na internet. Acontece que, a dita funcionária, desde essa data até hoje, continua com as mesmas funções... Pensará quem me lê que ela o faz acedendo à internet. Nada mais errado. Esta funcionária não possui sequer computador no seu posto de trabalho!
E agora, a cereja em cima do bolo. Recordo-me que esta funcionária, certa vez, se queixou aos Vereadores do Partido Socialista da forma como era tratada na Câmara Municipal do Seixal (o tema chegou mesmo à imprensa local). Queixava-se ela da falta de ocupação ou de falta de meios para desempenhar a sua função? NÃO.
O problema é que a sua pretensão de concessão de horário flexivel não tinha sido atendida!
Ele há coisas fantásticas, não há?

20 comentários:

Anónimo disse...

Este post só demonstra duas coisas é que a dita senhora não está a fazer nada na Câmara Municipal do Seixal... Pois é de uma incompetência total... Mas pelo que sei a senhora não é militante do PCP, mas sim do PS e é até daquelas que nunca adere a uma greve... Portanto não se trata de nenhum job arranjado pelo PCP, mas sim de um problema que o PCP tem de resolver dentro da Câmara pois funcionários como a dita senhora só estão para desestabilizar...
Deixo-lhe os meus parabéns pois o retrato da marquesa assenta como uma luva à dita senhora... È que a mesma é conhecida entre os trabalhadores como a marquesa... não só por marquesa ser o feminino de marquês, mas também pelos problemas que arranja e pela altivez com que fala com os trabalhadores...
Por último senhor vereador para ser coerente com este post devia na próxima reunião camarária propor o despedimento da senhora "marquesa", pois como diz a mesma não está a fazer nada na Câmara, não tenho dúvidas que a maioria agradecia a sua proposta!

Jorge Pieta disse...

O assunto é mais complexo do que aparente, vejamos.
A funcionária tem uma função "obsuleta"... de certeza que tem um superior hierarquico que já devia ter tratado do assunto, que por sua vez ja devia ter remetido o assunto para os Recursos Humanos da Camara de modo a se resolver o assunto.
O ordenado desta senhora é pago por todos nós. Será que na camara não existe nenhuma função que dignifique esta funcionária ?

Anónimo disse...

Porque será que o sr.Vereador não é solidário com a sua camarada?
Será por ela não apoiar a sua facção dentro da CPC?
Há coisas fantásticas não há?

Samuel Cruz disse...

Em relação aos comentários anteriores cumpre-me dizer:
1. Nunca poderia prôpor um despedimento desde logo por duas razões: A primeira é que não estamos perante um incumprimento muito grave das obrigações do trabalhador, na realidade nem me parece que exista qualquer incumprimento e em segundo porque a existir algum incumprimento teria que ser instaurado um processo disciplinar, cabendo nesse caso a proposta da pena a aplicar ao instrutor do processo. Cabendo nesse caso à Câmara apenas aderir ou não à sanção proposta.
2. O problema deve ser colocado exactamente como aqui é posto por Jorge Pietá, sendo que em última análise a responsabilidade é sempre de quem lidera ou seja do Sr. Presidente da Câmara Municipal e de mais ninguém, tanto mais que esta funcionária está colocada num departamento da responsabilidade directa do Presidente da Câmara Municipal.
3. Dentro da Câmara Municipal do Seixal existem eleitos e funcionários que em conjunto, tentam, o melhor que sabem, servir a população do concelho. Não existem militantes do Partido A, B ou C e é assim que devemos olhar para esta questão.
4. Tal como dentro da Comissão Politica do Partido Socialista não existem facções mas antes pessoas. Pessoas essas que são livres de pensar e ter as suas opiniões é por isso que o PS é um Partido Democrático e não um bando.

Anónimo disse...

O assunto desta funcionária colocado aqui neste blog serve para levar ao conhecimento da população como a Câmara do Seixal trata os seus trabalhadores. Esta senhora mais não é do que uma funcionária que foi colocada na prateleira como muitos outros funcionários que há em condições semelhantes na Câmara do Seixal. Na URSS havia a Sibéria os hospitais psiquiatricos para onde se mandavam as pessoas que de alguma maneira não estavam em consonância com o partido comunista. E o que se passa com esta e outros funcionários não é por falta de competência que estão nesta situação de tortura psicologica e no caso desta funcionária é público o motivo do seu castigo, o marido ex-funcionário da Câmara ousou denunciar atitudes de gestão pouco claras da Câmara do Seixal e por isso é ela que sofre as represálias. Não se compreende o comentário do anónimo das 8.43 que é de alguém afecto ao PCP a querer despedir funcionários. Então o partido comunista não é contra os despedimentos? Esta funcionária tem largos anos de serviço, a ler diários da república só está desde que a CDU a pôs de castigo podia muito bem desenvolver qualquer outra tarefa como já o fez ao longo da sua vida profissional. Para além duma repressão aviltante que a CDU exerce sobre os funcionários que não se vergam às exigências do PCP na Câmara do Seixal é ainda má gestão. Tem funcionários sem tarefa e continua a admitir mais gente a recibos verdes e assessores incluindo aranha figueiredos e outros afectos ao PCP. Devia gerir melhor o pessoal. Já era tempo de haver uma investigação para ver o que se passa com os trabalhadores na CMS, quantos são o que fazem. Quantos é que foram admitidos para atropelarem os que já lá estavam. Lamentavelmente o Seixal não parece fazer parte do Portugal livre e democrático. Aqui ainda não chegou a liberdade, aqui no Seixal da CDU ainda não chegou o direito de cada um pensar pela sua cabeça.

Anónimo disse...

Sr. Vereador Samuel o ponto 3 do seu comentário não corresponde à realidade. Na Câmara do Seixal existem eleitos e funcionários, mas funcionários do partido A ou B ou C.E é em função disso que se fazem as promoções, se autorizam as horas extraordinárias para fazer aumento de ordenado, se autorizam outras funções em acumulação para melhoria de vida,em resumo se abrem as portas ou se fecham todas as portas. Um cartão do Partido da maioria na Câmara do Seixal é um bom investimento. A proporção do nº de funcionários do partido A B C está muito desiquilibrada há 30 anos que só entram funcionários do partido da maioria.

Ana disse...

Mais do que o post, os comentários são extremamente elucidativos da situação do país. Um país de pessoas mesquinhas, "pequenininhas, com cabecinhas de galinhinhas", é isto a política portuguesa no seu melhor, pergunto qual a diferença do antes para o após 25 de Abril?, só o facto de não poderem pura e simplesmente colocar a Senhora na rua sem qualquer justificação, de resto está aí tudo, a senhora está de castigo porque pensa diferente, à custa do dinheiro dos contribuintes, só posso crer que o dinheiro abunda, pois por este exemplo imagino o que haverá mais.
Concluindo não haverá ninguém com poder e bom senso para resolver este problema?

Anónimo disse...

A comissão sindical não deveria tomar posição no caso desta funcionária defendendo-a? Claro que devia é para isso que existem as comissões sindicais é para defenderem os trabalhadores. Mas na câmara do Seixal isso não acontece porque a comissão sindical está incondicionalmente ao lado da entidade patronal e da CDU contra os trabalhadores. A comissão sindical na Câmara do Seixal é um dos tentáculos do polvo que é a CDU/PCP.

Anónimo disse...

Mas a Comissão Sindical vai defender a trabalhadora de quê? De não fazer o seu trabalho... É que se a mesma é responsável pelo Diário da República devia diariamente fazer uma sumula da legislação com interesse para cada departamento, mas, nas palavras do vereador Samuel Cruz, a senhora Marquesa nada faz... Pelo que devia era ser despedida, pois ainda goza com os colegas que cumprem com as suas obrigações profissionais. Quanto ao afirmado pelo vereador Samuel, só demonstra a falta de coragem do mesmo, pois apesar de não ser do seu pelouro, nada impede de como vereador eleito, justificar aquilo que ganha, e propor a medida corajosa de despedimentod e quem não cumpre com as obrigações a que está vinculada.

Samuel Cruz disse...

O último anónimo certamente não sabe ler, pois não foi isso o que eu escrevi. Nem eu, nem nenhum Vereador pode propor despedimentos.
E olhe acusar-me de falta de coragem, quem não tem a coragem de assinar o seu nome, não pode deixar de ser ironia.

Ivone disse...

O sr. Vereador Samuel diz que no seu partido existem pessoas.
No seu, como nos outros.
E em todos há pessoas muito mázinhas,como o senhor.
A questão desta senhora,merece a solidariedade de qualquer um.
Parece-me que seria de bom tom, para mais sendo sua camarada, defendê-la das prepotências dos senhores feudais que mandam na Câmara e não denegri-la. Se não a quisesse denegrir teria dito o que o anónimo da 1:45 disse, ou seja que a senhora sua camarada está numa situação inadmissível porque está a ser alvo de represálias devido às denúncias que o seu marido fez.
E se o sr.Vereador estivesse na situação dela o que fazia?
Andaria feliz da vida?
Pedia trabalho, claro. Será qua a senhora já não fez esse pedido?

Anónimo disse...

anónimo das 16.47:
Por acaso lá no partido não haverá um PC a mais,colocavam-no na secretária da dita senhora. Assim já ela podia fazer alguma coisa.Não seja burro.

Anónimo disse...

O anónimo das 16,47 é mesmo burro ainda não percebe que a funcionária não pode fazer o serviço de leitura do diário da República porque já não há Diário da República em papel é publicado na internet e esta funcionária não tem computador. Este anónimo (a) é mesmo burro. Mas não admira deve ser mais um daqueles camaradas que a CDU admitiu para a Câmara sem olhar à inteligência. Já agora senhor (a) anónimo peça o despedimento para o senhor Presidente da Câmara que permite que em pleno Seculo XXI num país livre se tenha alguem num local de trabalho em tão más condições num espaço de reduzidas dimensões e sem equipamento . E já agora quem é a chefia desta funcionária será que é o senhor presidente Alfredo Monteiro? À Dra Helena Marquês manifesto a minha solidariedade.

C.Silva disse...

A consciência aristotélica, construída a partir de cada indivíduo na procura de uma vida boa, já só tem correspondência no plano do "salve-se quem puder".
A entreajuda é a lava da erupção que resta nos momentos trágicos.
Para sermos justos temos de ser humanos. A verdade é que são os humanos a brincar com a justiça e a sua conceptualização.
Kent, defensor da ética do dever,dizia: "Faça-se justiça mesmo que todos os velhacos do mundo pereçam."
A falta de ética - a da virtude e a do dever - conduz a caminhos muito apertados.
À Drª Helena Marquês manifesto também a minha solidariedade na certeza de que com camaradas como o DrºCruz de certeza que não precisa de inimigos para ser crucificada.

Samuel Cruz disse...

Ao último anónimo apenas uma pequena correcção, não é Kent mas Kant. Quanto à ética penso que não se apregoa mas antes pratica. A minha prática é a da verdade, do trabalho e da competência.

Anónimo disse...

Sr. Verador Samuel caso não saiba todos os funcionários da categoria da funcionária de quem o Sr. fala têm horário flexivel. Tem duas plataformas fixas das 10h às 12h e das 14h às 16h e as restantes horas podem se feitas entre as 8h e as 20h conforme interesse do trabalhador. A Câmara não autorizando esta funcionária a ter este tipo de horário e obrigando-a a horário rigido das 9h às 12,30 e das 14 às 17,30 é prejudicial para a funcionária e configurava mais uma discriminação contra esta funcionária, independente do volume de trabalho que se tenha é intolerável discriminações. A reclamação que fez justifica-se e é muito pertinente e o seu partido devia tê-la apoiado a lutar contra a discriminação. A falta de trabalho que tem para fazer não é da responsabilidade da funcionária.
O que escreveu roça na falta de educação. A ideia que se ia tendo de si Sr. Vereador de político bem formado, jovem, interventivo, com uma forma diferente de fazer política, honesta e exigente caiu por terra neste momento.
Se o que escreveu foi por puro divertimento saiba que os cidadãos deste país estão sobrecarregados de impostos também para pagar as despesas com os seus políticos e não lhe reconhecem o direito de andar a divertir-se à custa de denegrir seja quem for, não é esse o seu papel.
Para estar na política e em tudo na vida é conveniente ter-se uma boa dose de bom senso o que aqui não aconteceu.
Será que lhe falta maturidade?
A admiração que se tem vindo a sentir por si pode transformar-se em desilusão.
Escandaliza o que fez em relação a esta funcionária, isso pode prejudicar o seu partido. Não se vota em quem nos escandaliza.
Já agora Sr. Vereador Samuel Cruz como é bem informado deve saber mas se não souber procure que vai encontrar na Câmara Municipal do Seixal muitos funcionários militantes comunistas que não têm tarefa nem nunca tiveram porque não lhes apetece trabalhar.
E nos moldes que o fez agora fale desses.
À Dra Helena Marquês o meu apreço pela coragem que tem demonstrado.

Samuel Cruz disse...

Caro anónimo,

Concordo com a sua afirmação e foram os actuais Vereadores do Partido Socialista que intervieram para que esta situação se resolvesse e de facto resolveu.
Quanto à falta de educação não sei onde ela possa estar, denunciei uma situação intolerável na Câmara Municipal do Seixal, como tenho denunciado muitas outras. Fui eleito nas listas do PS para servir a população do Seixal, não para servir os militantes Socialistas e é útil que essa destrinça se faça. Estou certo que tal comportamento nunca prejudicará o Partido Socialista, antes pelo contrário.

Mariana disse...

Vereador Samuel não ligue ao que alguns ressabiados aqui escrevem, é muito raro aparecerem políticos da sua craveira, não desista por favor, o Seixal precisa de si.

Anónimo disse...

Cara mariana aqueles que dão o maior apoio não são aqueles que dizem sempre que está tudo bem mesmo quando não está. É inquestionável que o Seixal precisa do Vereador Samuel Cruz, disso não há dúvidas, é claro que o Vereador Samuel tem feito um trabalho excepional no concelho e o que se pretende e se deseja é que o Vereador Samuel nos continue a premiar com o seu empenho como até aqui.

M.Manuela disse...

Sr.Vereador Samuel se, como diz, foi eleito para servir a população do concelho do Seixal e não os militantes do PS, nós no Pinhal do General ficaríamos gratos se denunciasse a situação intolerável que temos na Associação de Amigos do Pinhal do General onde o presidente, que é um camarada seu, não apresenta contas há 6 anos.
É a unica Associação em todo o concelho que não apresenta contas.
Se não sabe quem é o presidente ele chama-se Alberto Sardinha.

Google