Depois de acontecer não digam que desconheciam...

Ontem de manhã, como habitualmente, ao dirigir-me para o escritório, contorno a rotunda do "Centro Sul", Almada, viro para a Bento Gonçalves e, pretendendo virar para a R. Conceição Sameiro Antunes, aguardo o sinal verde que deveria surgir após a passagem do Metro que proveniente da Universidade descia a Ramalha, transpondo a Bento Gonçalves para se deslocar em direcção a Corroios. Qual não foi o meu espanto, tendo ficado mesmo atónito, quando olho para o sinal que passa a verde, meto a primeira e quando me preparava para acelerar, olho para a linha do meu lado esquerdo e, vejo o pachorrento Metro que se desloca e se prepara nesse preciso momento para transpor a via que eu devia seguir, com o sinal verde aberto. "Travei", fiz uma vénia ao dito, deixei-o passar serenamente e, só depois, me foi permitido seguir viagem, ainda que o sinal verde me indicasse essa possibilidade há já algum tempo.
O que se passou é muito grave em termos de segurança e espero que um qualquer condutor, menos atento e mais acelera, não vá "marrar" com o Metro, provocando-se um acidente que pode assumir contornos de grande gravidade.
As autoridades de trânsito e a Metro sul do Tejo não podem ignorar esta realidade.

7 pecados do século XXI


A Igreja Católica decidiu-se por mudar os sete pecados mortais, dizendo que a lista elaborada pelo Papa Gregório I, no século VI, estava obsoleta. Nesse sentido, o Vaticano publicou as modernas práticas que devem, a partir de agora, ser evitadas pelos fiéis da Igreja Católica.

Os 7 "novos" pecados são os seguintes:

- Fazer manipulação genética;
- Realizar experiências em seres humanos, incluindo embriões;
- Poluir a Terra;
- Provocar a injustiça social;
- Ser causa da pobreza;
- Procurar riqueza sem limites;
- Consumir drogas.

Já agora, convém mencionar os 7 "antigos":
- Gula; Luxúria; Avareza; Ira; Soberba; Vaidade e Preguiça.

Uma clara diferença nota-se: os pecados antigos era facilmente mencionáveis, pois possuiam uma palavra própria para os identificar. Para identificar os novos, ter-se-á de recorrer à construção de frases...

Até pecar já é mais complicado! Sinais dos tempos...

Eles falam, falam... Mas não dizem nada!

Eles falam, falam... Mas não dizem nada!
E isso chateia-me, confesso.
O Sr. Luís Filipe Vieira, presidente do Benfica, entrevistado por um órgão de comunicação social disse (a negrito):

"A Câmara do Seixal queixa-se de uma dívida do Benfica de 170 mil euros...

-A Câmara do Seixal? Não, não deve ter sido a Câmara do Seixal...

-A Câmara do Seixal diz que enviou para execução fiscal uma parte da dívida do Benfica. Uma dívida de 170 mil euros referentes à água do centro de estágios...

-Como deve calcular, eu sei o que se passa Eu e o sr. Mário Dias temos estado em diálogo com a Câmara do Seixal. Mas não temos de dar notícias [a esse respeito] nem a Câmara do Seixal de certeza o fará Vamos falando."


Esta desvalorização e subalternização da Câmara Municipal face a uma outra entidade preocupa-me e nesse sentido cumpre-me esclarecer:
Os Vereadores do Partido Socialista em sessão pública da Câmara Municipal do Seixal questionaram o executivo comunista sobre esta matéria, a resposta obtida, não só não confirmou o valor da dívida, como a desvalorizou.
Mais tarde a questão foi retomada pelos órgãos de comunicação social nacionais, em consequência do que foi confirmada uma dívida, entretanto já em execução fiscal, no valor de 170.000 Euros, referindo ainda fonte da Câmara Municipal que existiam devedores maiores a esta Câmara.

Assim, e face ao exposto, foi entregue pela Vereação Socialista um requerimento ao Sr. Presidente da Câmara Municipal do Seixal, no sentido de ser esclarecido:

1 - Qual a facturação detalhada, de consumo de água, da Benfica SAD desde que se instalou no concelho?

2 - Qual a relação completa de devedores, referentes a consumo de água, que apresentam valores superiores a 5.000 Euros?


Estamos esperando (para utilizar o gerúndio Algarvio, que é quase época de férias).

No Jobs for the Girls


Goya - Retrato da Marquesa de Santa Cruz


Uma das minhas primeiras tarefas, quando assumi o cargo de Vereador da Câmara Municipal do Seixal, foi, naturalmente, inteirar-me do seu organigrama.
Lembro-me que na altura o serviço que mais me surprendeu se designava, e continua a designar, "Serviço de Leituras do Diário da República".
A razão desta surpresa, é que desde o meu primeiro dia como Advogado Estagiário me habituei a que a primeira coisa a fazer ao chegar ao escritório é, justamente, ler o Diário da República, algo que demora, em média, 15 minutos. Ora, a questão que se me colocou de imediato foi: se existe uma jurista na Câmara Municipal do Seixal que apenas lê o DR, e isso demora mais ao menos 15 minutos todos os dias, o que fará ela as restantes 6 horas e 45 minutos do dia de trabalho?
Cabe aqui explicar que nesta rotina diária do Advogado "marcávamos" (conjugo o verbo no passado já vão perceber porquê), os diplomas que nos pareciam de maior interesse, e mais tarde alguém se encarregava de os fotocopiar e arquivar na respectiva pasta de legislação. Naturalmente, o procedimento na Câmara deveria ser cada serviço receber a legislação que lhe dissesse directamente respeito, depois de previamente seleccionada pela Douta Jurista.
Desde esse primeiro dia passaram quase três anos. Como até ao meu Gabinete nunca nenhum diploma legal chegou, com origem no referido Serviço de Leituras do Diário da República, as minhas dúvidas sobre a utilidade do serviço adensaram-se e, naturalmente, a curiosidade também...
Tentei perceber o que se passava e, então, a realidade ultrapassou a ficção!
É que, desde o dia 31 de Dezembro de 2006 que o Diário da República deixou de ser publicado em versão papel, passando a estar disponível, exclusivamente, em versão electrónica, ou seja, na internet. Acontece que, a dita funcionária, desde essa data até hoje, continua com as mesmas funções... Pensará quem me lê que ela o faz acedendo à internet. Nada mais errado. Esta funcionária não possui sequer computador no seu posto de trabalho!
E agora, a cereja em cima do bolo. Recordo-me que esta funcionária, certa vez, se queixou aos Vereadores do Partido Socialista da forma como era tratada na Câmara Municipal do Seixal (o tema chegou mesmo à imprensa local). Queixava-se ela da falta de ocupação ou de falta de meios para desempenhar a sua função? NÃO.
O problema é que a sua pretensão de concessão de horário flexivel não tinha sido atendida!
Ele há coisas fantásticas, não há?

Acumulações adjuntas...

Aqui fica o tema para ser comentado na última edição antes de férias do jornal Comércio do Seixal e Sesimbra. A todos boas férias se for caso disso. Se há coisa que me irrita na política, e na vida em geral, é a hipocrisia. Que bem prega Frei Tomás, faz o que ele diz, não faças o que ele faz, é um bordão que nunca esqueço. Vem isto a propósito de uma curiosa associação existente no concelho do Seixal a AERPPAS (Associação de Areeiros e Autarquia para a Preservação do Ambiente do Seixal). Digo curiosa, mas também poderia escrever esclarecedora, porque de facto a autarquia associar-se aos responsáveis por isto na defesa do ambiente não deixa de ser irónico! Ora acontece que esta associação tem à frente da sua direcção, dois adjuntos de vereadores da CMS. A saber, o adjunto do vereador do Urbanismo, de seu nome Duran Clemente, e o adjunto do vereador do Ambiente, Carlos Pauleta (entretanto substituído). Ambos os senhores acumulam com as funções de adjunto a direcção desta AERPPAS, auferindo uma quantia mensal de 425,28 euros o primeiro e 434,94 o segundo, o que prefaz para Duran Clemente 5832,84 euros/ano e para Carlos Pauleta 5968,06 euros/ano.
Digam lá se vale ou não a pena o comunismo, desviado da sua vertente ideológica, à la Seixal?

Testemunho na primeira pessoa

Ontem às 21.45 h acompanhando um familiar entrei no SAP concelhio na Amora.
Para proceder à inscrição demorei 6 minutos; estava à minha frente ao guichet uma senhora a fazer a sua inscrição. Esperei. No outro guichet ao lado uma imigrante fazia também a sua inscrição.
Terminei a inscrição e perguntei:
- Quantas pessoas estão à minha frente?
Três pessoas, respondeu a funcionária.
Sentei-me na sala de espera, praticamente vazia.
Às 22.05h o médico abriu a porta e chamou pelo nome do meu filho.
A partir desse momento iniciou-se a consulta.
Para os vendilhões da desgraça, useiros e vezeiros em técnicas de manipulação dos anseios e das angústias legítimas dos cidadãos, aqui fica o meu testemunho na primeira pessoa.

Comerciantes do Mercado de Fernão Ferro estão cansados de promessas

Para quando a resolução dos problemas relacionados com as constantes quebras de tensão e cortes de corrente no mercado de Fernão Ferro?
Os comerciantes aí instalados não estão satisfeitos.
São já vários que se queixam de verem os seus equipamentos eléctricos avariados e inutilizados devido às frequentes quebras de tensão na corrente eléctrica. Parece que as promessas de resolução do problema não faltam; mas o que falta é a efectiva resolução, o que deixa os comerciantes nada crentes em quem bem promete, mas que tão mal resolve.
Como é possível que um equipamento construído ainda há bem pouco tempo tenha este problema?
É caso para dizer que " nem sempre o que parece é..." e os comerciantes que se instalaram no mercado de Fernão Ferro sabem hoje que "...parecia... o que reconhecem hoje não ser."

Simplex autárquico

O Simplex Autárquico assenta numa cooperação entre Municípios e organismos da Administração Central, tendo em vista melhorar a qualidade dos serviços prestados aos cidadãos e às empresas.

O objecto do programa consiste:

- Na execução em conjunto de medidas de simplificação administrativa (intersectoriais e intermunicipais) que os Municípios que integram o programa se comprometem a aplicar nos serviços que tutelam, observando os princípios e regras previamente protocolados;

- Na execução de medidas de simplificação administrativa da sua exclusiva responsabilidade (municipais e de freguesia);

- Na divulgação de boas práticas de simplificação;

- No apoio à replicação de medidas de simplificação.

O Programa Simplex surgiu da necessidade de alterar processos e procedimentos já constantes das leis e regulamentos em vigor. Essa necessidade de correcção e simplificação da rigidez dos processos e dos procedimentos normativos e das práticas administrativas que lhes estão associadas resulta de uma avaliação negativa sobre os seus impactos ou a sua pertinência.

O Programa agrega as medidas de simplificação administrativa e legislativa conduzidas pelos vários sectores da Administração pública central. A coordenação da sua preparação e o acompanhamento da sua execução cabem ao Gabinete da Secretária de Estado da Modernização Administrativa, com o apoio técnico da Agência para a Modernização Administrativa.

O Governo escolheu o município do Seixal como parceiro nesta iniciativa, uma boa notícia portanto.

Tabaco reduz taxa de ocupação da via pública às esplanadas

Com vista a atenuar um pouco as imposições postas pela lei do tabaco, a Câmara Municipal do Barreiro e a da Moita tiveram uma atitude interessada, ao diminuir as taxas cobradas pelas esplanadas, de modo a que todos os cafés e bares possam ter um "espaço de fumo" ao ar livre.
A redução das referidas taxas - de ocupação da via pública - por parte de ambas as Câmaras, cifram-se em 50%, sendo que a medida apenas estará em vigor em época baixa (de Outubro a Abril). A medida vai de encontro a uma solicitação da Associação de Comércio, Undústria e Serviços do Barreiro e Moita. Deste modo saem mais favorecidos os micro e pequenos empresários. Esta pode ser uma medida a ter em conta aqui para o Seixal.

Híbridos são mistificação

Ao que parece
os actuais automóveis híbridos à venda no mercado nacional não são mais do que uma ferramenta de marketing. Quem o revela são os estudos de várias organizações ambientalistas, a última das quais, a inglesa Clean Green Cars (CGC) que aconselha mesmo os automobilistas a comprarem um diesel moderno ao invés de um híbrido. Os híbridos são uma mistificação, pois não só têm um custo mais elevado como, considerando o ciclo de vida completo, poluem mais e prestam um serviço deficiente.
Os testes da CGC levou-os à conclusão que os diesel consomem menos e emitem menos CO2 para a atmosfera.
A "moda" dos híbridos e o sucesso de que desfrutam actualmente foi criado pelos americanos, mercado onde não existem praticamente motores diesel modernos. Terá pois que se esperar mais algum tempo, até que surjam motores híbridos realmente compensadores. Lá para meados de 2010.
Por cá a Câmara do Seixal, sempre preocupada em seguir em primeiro plano, já aderiu à moda, parece é que foi cedo demais! Mas o mais fantástico, na minha opinião, é que segundo me foi dito, a decisão teve por base um estudo da agência municipal de energia. Perante tal estudo, e em comparação ao que agora surge a público internacionalmente, tudo leva a crer que se enganou...

Pedale pela sua saúde

O título deste post é uma das principais iniciativas desenvolvidas por esta câmara municipal desde 2003, de acordo com o referido na página WEB da Agência Municipal de Energia do Seixal. A iniciativa em causa tem por objectivo sensibilizar as pessoas para a necessidade de optarem por meios de mobilidade mais saudáveis e sustentáveis a nível ambiental, como é o caso da bicicleta.
Até aqui tudo bem, não fosse o facto de a Câmara Municipal do Seixal ficar por aqui no que diz respeito aos objectivos citados supra.
Senão vejamos:
Possui a Câmara Municipal do Seixal uma rede de ciclovias que permita às pessoas deslocarem-se internamente por todo o concelho, de forma rápida e segura?
Possui o município do Seixal parques de bicicletas, nomeadamente junto ao cais fluvial do Seixal e das estações de comboio, como os que existem na Holanda, onde a mobilidade das pessoas e a sustentabilidade urbana e ambiental é de facto uma realidade, permitindo que quem queira fazer ligação com os principais meios de transportes públicos com ligação a Lisboa o possa fazer de forma cómoda, eficaz e segura?
Não! Não possui!
Assim, bom seria que a Câmara Municipal do Seixal, ao invés de promover iniciativas como o Domingo sem carros, de resultados senão inconsequentes pelo menos desconhecidos, implementasse as medidas anteriormente citadas e com resultados concretos em termos de mobilidade urbana e da qualidade de vida das pessoas.
Estas sim seriam medidas profícuas, não se esgotando num mero domingo ou num mero panfleto de sensibilização.
Como tal, criar uma boa rede de ciclovias e de parques de estacionamento para bicicletas seria uma boa forma de incentivar os munícipes a deslocarem-se neste meio de transporte na sua vida diária, se não na totalidade pelo menos em parte, tal como acontece nos países nórdicos, independentemente do nosso município não ser totalmente plano.

José Louro

Começou há um ano

O tema não é inédito, nem sequer aqui no Blog, mas tendo em conta o primeiro aniversário desta realidade e a maneira como nos afecta a todos, trago-o de novo à ribalta, desta vez para receber os comentários dos leitores destinados a serem publicados no jornal Comércio do Seixal e Sesimbra.

1.Imagine que um conjunto de pessoas (7,2 milhões de famílias, o que rondará os 30 milhões de pessoas) a quem nunca deveria ter sido concedido empréstimo para habitação decide mostrar o porquê de não serem merecedoras desse empréstimo, deixando de o pagar.

2.Imagine que o banco executa as hipotecas sobre essas casas.
3.Imagine que o número de execuções de hipotecas é tão elevado, que o preço das casas cai a pique, porque não há gente suficiente interessada em comprá-las. Por esse motivo, os bancos só conseguem reaver uma parte relativamente modesta do que emprestaram, o que começa a deixá-los em apuros, dado os valores envolvidos.
4.Imagine que há ainda uns milhões de pessoas que têm vindo a pagar os empréstimos, mas cujo valor da garantia que deram ao banco (o valor da casa), cai a pique, pelos motivos indicados no ponto 3. Ou seja: se deixam de pagar, o banco está tramado.
5.Tenha em conta que a desvalorização das casas pelos motivos indicados no ponto 3 leva, inevitavelmente, a uma crise profunda no sector da construção civil.
6. Imagine que esses milhões de pessoas com empréstimos por pagar trabalham na indústria da construção civil, ou numa indústria cuja prosperidade depende da prosperidade do sector da construção civil. Ou ainda numa industria cuja prosperidade depende da prosperidade de uma industria cuja prosperidade depende, por sua vez, da prosperidade do sector da construção civil. Sinta-se à vontade para acrescentar mais elos a esta cadeia. Eles existem.
7.Imagine agora que, por causa disso, essas pessoas perdem o emprego e deixam de pagar o empréstimo das casas, piorando bastante o já negro cenário indicado no ponto 3.
8.Imagine ainda que há pessoas que até nem perdem o emprego e podem continuar a pagar, mas que não acham muita piada ao facto de estarem a pagar um empréstimo de, vá lá, 200000?, por uma casa que agora já não vale mais de 50000?.
9.Imagine que essas pessoas, numa análise custo/benefício, pensam: que se lixe. O banco que fique com a batata quente. Vou deixar de pagar o empréstimo, porque sinto que estou a ser levado.
10.Imagine que o fenómeno é tão generalizado que muitos bancos não conseguem fazer face a tamanhas perdas, havendo o risco real de milhões de pessoas perderem os seus depósitos.
11.Imagine ainda que esses bancos, para emprestarem dinheiro aos seus clientes, foram pedir dinheiro emprestado a outros bancos, bancos esses que correm o inesperado risco de ficar, igualmente, a arder com enormes perdas.
12.Finalmente, imagine que isto acontece num país com um défice orçamental tremendo, e no qual a ocorrência de uma recessão, que leva a uma baixa das receitas fiscais, seria basicamente a morte do artista (e do Dolar), pois este deixaria de conseguir pagar os empréstimos resultantes da existência de dívidas (défice), existindo o sério risco de os títulos do tesouro americanos desvalorizarem a pique, assim como se desvalorizam ainda mais as poupanças das pessoas (singulares e colectivas) que têm depósitos em Dólares Americanos.

Se conseguir englobar todas estas imagens no seu cérebro, só me resta dizer-lhe uma coisa: Welcome to the USA!

Como atinge isto a Europa? Muitos dos bancos que emprestaram dinheiro a bancos americanos para estes, por sua vez emprestarem aos clientes, são Europeus (e asiáticos, africanos...).
Na hipótese remota de esta situação não ter impacto no sistema financeiro europeu (bem vistas as coisas, já teve, com a crise do Northern Rock, o que torna bastante provável que volte a ter...), não se esqueça que bastantes indústrias mencionadas no ponto 6 encontram-se no Velho Continente. Nem sonhe que a Europa passará ao lado de uma crise americana de tal dimensão. Impossível!

A título de curiosidade: Vamos ver se o FMI vai assumir as rédeas do governo americano, tal como tem feito em tantos outros países, nomeadamente em Portugal, no período pós-revolucionário.

Tudo isto começou há um ano, ainda ninguém sabe quando e como vai acabar!

Fazer parecer o que não é














Recentemente vi circularem pelo Seixal uns panfletos da CDU/Seixal com a denominação: "Freguesia do Seixal - Presta contas!"

Desfolhando o colorido - e de aspecto dispendioso - panfleto, de boa qualidade quer gráfica quer fotográfica, vemos que a Freguesia do Seixal, pela mão da CDU, procedeu a várias acções em determinadas áreas sociais.
Curioso é, contudo, quando chegamos à parte da reflexão, como forma de prestar contas pelo feito e pelo que ficou por realizar. A certa altura pode ler-se que "com a aprovação da nova Lei das Finanças Locais, o Governo introduziu uma limitação preocupante à capacidade administrativa e financeira das Autarquias, tornando assim mais problemática a concretização das obras necessárias ao bem-estar das populações".
Acontece que, este blá blá blá, num panfleto entregue a pessoas pouco informadas pode surtir o efeito pretendido, isto é, pode fazer com que as pessoas acreditem que a Junta do Seixal só não faz mais porque os maus senhores do Governo não deixam. Contudo, eu como gosto das coisas claras como a água que bebo, tenho de aqui dizer claramente que a Nova Lei das Finanças Locais, aqui no Seixal, permite, e de facto realiza, uma maior transferência de verbas para o munícipio! Havendo mais dinheiro do que aquele que estava estipulado de início isso permitiria a concretização de bastantes mais iniciativas em prol da população, ao contrário do que o panfleto erroneamente quer fazer parecer.
Mais uma vez e para que fique bem explicito, o Seixal foi beneficiado com a Lei das Finanças Locais do Governo, obtendo bastante mais dinheiro do que o inicialmente esperado. Portanto, a limitação preocupante de que o panfleto CDU fala deve ser uma limitação de má fé. Quem tem elevadas responsabilidades na gestão deste munícipio não pode ignorar o que aqui é dito, se o faz é porque é MENTIROSO!

Estónia inovadora

A Estónia tornou-se no primeiro país do Mundo a organizar eleições legislativas pela Internet, depois dos eleitores terem sido autorizados a expedir o seu boletim por via electrónica, antes do escrutínio de domingo. Os eleitores tiveram a hipótese de eleger os seus representantes através da Internet, sendo que 30.275 pessoas optaram por esse meio, o que correspondeu a 3,4% dos participantes no escrutínio.
Foram dois dias disponibilizados para a votação por este meio, sendo que só três dias depois é que os votantes pelo método convencional puderam expressar a sua escolha. A organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE), que acompanha as eleições europeias, mostrou alguma inquietação sobre os métodos de controlo do voto electrónico.
«Devemos determinar se as medidas de transparência são suficientes para garantir a imparcialidade», declarou o responsável da OSCE.
Já numas eleições locais de 2005 a Estónia tinha optado por este sistema inovador - tendo na ocasião a percentagem de adesão ter sido de 2% -, contudo, a nível nacional, foi a primeira vez que se optou pelo voto por Internet.
A ideia de disponibilizar este modo de votação começou a ganhar forma em 2001, tendo o sistema sido sujeito a vários testes de fiabilidade. Foi disponibilizado aos eleitores um cartão de identificação com um circuito integrado e, nas lojas, foi colocado à venda um dispositivo capaz de ler a informação guardada no cartão. O sentido de voto podia ser alterado tantas vezes quantas os eleitores quisessem, mas a última opção prevalecia. Embora houvesse preocupações relacionadas com a segurança e fiabilidade da rede, a votação acabou por decorrer sem problemas técnicos ou suspeitas de fraude. Vamos ver para quando esta solução se alarga a outros países, nomeadamente, ao nosso inventivo Portugal... Em especial ao nosso Seixal, para ver se as taxas de abstenção baixam até níveis dignos!

Tampinhas - Ponha esta ideia a andar

A Associação Tampa Amiga- Projecto Tampinhas surgiu na sequência de um projecto desenvolvido em 2003 pela Enf.ª Guadalupe Jacinto, quando esta decidiu contactar empresas de reciclagem e valorização de resíduos, com o objectivo de lançar uma ideia simples que consiste em três simples fase:

1º Recolher tampas de plástico;
2º Vendê-las para reciclagem;
3º Oferecer material ortopédico a quem mais dele necessita.

Data já de 2004 a altura em que foi lançada uma campanha de recolha de tampas nos concelhos de Almada e Seixal, em associação com a empresa de recolha de resíduos local, com vista a beneficiar a Liga de Amigos do Hospital Garcia de Orta.
A campanha foi um sucesso, tendo excedido todas as expectativas. No final do ano já se tinham recebido contribuições em tampas provenientes de todos os pontos do pais, e até das regiões autónomas.
A resposta foi tal, que decidimos criar a ASSOCIAÇÃO TAMPA AMIGA, de modo a dar continuidade à ideia.
Neste momento, o nosso objectivo é alargar a campanha a nível nacional, envolvendo o maior número de sistemas de valorização de resíduos possível, Associações e Empresas em todo o país, de modo a que as entregas das tampas sejam facilitadas à população, e possamos cada vez mais ajudar quem mais necessita.
A que acredite neste projecto e queira ajudar, pode associar-se à campanha ou prestar apoio em regime de voluntariado. A necessidade de voluntários é crescente, voluntariado esse que pode passar por ajudar em tarefas administrativas, e programação web.

E o protocolo?

Relembro hoje uma notícia de Abril do ano passado:

Mais Futebol

"O vereador socialista José Assis acusa o Benfica de não estar a cumprir o protocolo com a Câmara do Seixal que permitiu a construção do Centro de Estágios do clube da Luz, mas o vereador do Desporto do município, Joaquim Santos, rejeita a acusação, enquanto o próprio clube prefere manter-se à parte da polémica.
Segundo José Assis, no acordo estabelecido entre as duas partes, o clube de Lisboa comprometia-se a disponibilizar parte da infraesterutura para a população do concelho. No entanto, Joaquim Santos, citado pela Agência Lusa, refere que no protocolo consta apenas uma cláusula genérica sobre esse assunto e que espera ter, na próxima época, um projecto assinado com o Benfica que permita abrir as portas do centro de estágios às associações desportivas do concelho.
O vereador do Partido Socialista, na nota que enviou à imprensa, recorda que o acordo celebrado entre Benfica, autarquia e a Euroárea, o clube obrigou-se a facultar o acesso aos campos de treino e que «até ao momento essa obrigação não está a ser cumprida». «Por outro lado, essa obrigação está contida no mesmo protocolo que viabilizou urbanisticamente a operação que deu lugar ao centro de estágios e viabilizou o alvará que legitima a área de construção da Quinta da Trindade», destaca ainda a nota do autarca socialista.
Joaquim Santos, por seu lado, defende que os dois primeiros anos «serviram para o Benfica instalar a sua estrutura». «Temos agora condições para aprofundar esse protocolo. Na próxima época desportiva, penso que poderemos aprovar o programa que estabeleça o quadro de cooperação entre o Benfica e Câmara Municipal do Seixal», destacou o vereador da CDU. Contactado pela Agência Lusa, o Benfica não quis comentar as acusações do vereador socialista."


Pergunto eu: A Câmara Municipal do Seixal celebra um protocolo com o Benfica, para que esta Sociedade Anónima Desportiva (cujo objectivo é o lucro), aqui instale o seu centro de estágios. Nesse protocolo são assumidas obrigações por cada uma das partes e que naturalmente se consubtanciam em direitos para a outra parte. Em traços largos a edilidade compromete-se a aprovar a solução urbanistica, o que fez rápido, rapidinho (até há quem ache que foi rápido demais) e o Benfica compromete-se a colaborar com os Clubes do concelho. A Câmara cumpriu com a sua parte mas do lado do Benfica nada aconteceu, seria legitima a indignação por parte da Câmara, mas não. Ao invés vem o Vereador do desporto desculpabilizar a Benfica SAD, entidade cujo primeiro objectivo é o lucro relembro, não protegendo assim o interesse público, os interesses da Câmara Municipal do Seixal nem os interesses da população do Seixal que o elegeu.

Uma vergonha!

Esta notícia é de Abril do ano passado, passou quase um ano, onde está o protocolo prometido?

Agenda Municipal dá atenção aos Animais

Quando me perguntaram se eu quereria aceitar o Pelouro da Defesa do Consumidor e Intervenção Veterinária, que hoje dirijo, confesso que pensei algum tempo. Cheguei contudo à conclusão de que deveria aceitar já que, é o Vereador que faz um Pelouro e não o Pelouro que faz o Vereador. Sinto-me satisfeito pela aposta e, pelo reconhecimento do trabalho realizado sinto orgulho. Acho que isso é bem demonstrativo na visibilidade que a Intervenção Veterinária tem tido neste Concelho. Prova disso mesmo é a Agenda Municipal de Maio/Junho 2008. Deixo aqui o link para que possa ser consultado, por quem não obtiver o formato impresso. Além da capa, o tema central desta Agenda Municipal são os Animais e os cuidados que se devem ter com eles. Para os que forem espreitar o link que aqui deixo, podem verificar os artigos das páginas 63 à 75 inclusive. É com gosto que faço as coisas em que me empenho, e sobretudo com dedicação.

Esta é a qualidade de vida do concelho do Seixal.

Esta é a imagem do planeamento e desenvolvimento urbanístico do concelho do Seixal.
Publica-se a imagem em pleno Verão para que os responsáveis tenham consciência de que não podem continuar com obras que se prolongam há mais de um ano e onde se nota, na sua execução, uma total falta de planeamento com graves prejuizos para os moradores e para os cofres do municipio.
É tempo dos habitantes do Seixal tomarem consciência de que esta gestão municipal está caduca e é incapaz de de se libertar das teias internas e externas que foi criando ao longo de mais de 30 anos.
Acorda Seixal.


Despedimentos na Lusosider

Sendo este um tema relevante para todo o concelho e não apenas para os envolvidos, é pois este o tema que proponho seja comentado e posteriormente publicado no Comércio do Seixal e Sesimbra. A Lusosider - Aços Planos S.A., localizada na área da ex-Siderurgia Nacional, é uma empresa que, naturalmente, tendo-se instalado na área da antiga Siderurgia Nacional, fez uma legitima pressão sobre o Governo quanto à necessidade de infra-estruturas no local, para bem desenvolver a sua actividade. Ora acontece que, perante essas reivindicações e pela importância do funcionamento desta empresa, o Governo realizou importantes investimentos na zona envolvente (refiro-me ao ramal ferroviário de ligação à estação de Coina e daí ao Porto de Setúbal). Fazendo estas vontades à Lusosider é pois estranho que, agora, tenham surgido na empresa despedimentos, um pouco ao arrepio do expectável.
A empresa que no início de 2008 já despedira aproximadamente 100 trabalhadores - reduzindo desse modo os postos de trabalho que há dois anos eram de 400 - pretende agora despedir mais 65 pessoas. Nesse sentido, para evitar que tal suceda, um grupo de trabalhadores da Lusosider foi para a frente do Ministério da Economia exigir esclarecimentos acerca do futuro da empresa. Os trabalhadores alertaram também para o facto da empresa estar a receber chapa vinda do Brasil, já embalada, e no Seixal ser-lhe mudada a etiqueta como se se tratasse de um produto nacional.
Recorde-se que já no passado os 100 trabalhadores que a empresa despediu foram-no de forma ilegal, na sequência do encerramento da linha de estanhagem electrolítica e do circuito de fabrico do produto folha-de-flandres.

Os investimentos
O Governo fez um esforço significativo por manter a Lusosider activa e de saúde, tendo esse investimento o objectivo de poder dar a esta empresa um desenvolvimento com eficiência que ela não possuía, criando as condições necessárias para o transporte de matérias primas e de Aço já acabado. No entanto, mediante as quotas apertadas do Aço na Europa, os responsáveis da Lusosider, brasileiros de origem, decidiram por se virar precisamente para esse mercado, o brasileiro. Aí, por terras de Vera Cruz, o Aço não tem as mesmas limitações de quotas que encontra na Europa, além de que, vindo já feito do Brasil a poupança de investimento é de muito dinheiro.
Todavia, perante as facilidades concedidas pelo Governo não se compreende agora que a Lusosider pretenda despedir mais 65 trabalhadores.
A contradição deste processo de despedimentos surge quando está em construção a ligação ferroviária ao eixo norte-sul e ao porto de Setúbal, perspectivando-se ainda outros investimentos em acessibilidades como é o caso da ponte Seixal - Barreiro associada à ligação Chelas - Barreiro. Estas infra-estruturas foram criadas mediante as expectativas criadas pela empresa brasileira com capital na Lusosider com investimentos a rondar os mil milhões de euros.
A produção diminuiu claramente e esse é outra das preocupações, pois nada faz prever que o actual estado da empresa levasse para este caminho.
O Governo está atento e promete intervir com eficácia.

A liberdade do comunismo

Parece mentira, mas é verdade. Em Cuba já se podem comprar telemóveis. Eu disse "já", propositadamente. É que, a liderança comunista de Fidel não permitia tal acto ao povo cubano. Se este facto não fosse, por si só, triste - pelo atentado ao direito de liberdade dos cidadãos -, acresce o não menos triste cenário de, um telemóvel custar nove meses de salário médio. Por mês, um cubano ganha cerca de 18 dólares e o telemóvel mais barato custa 65!...
Antes, apenas estrangeiros ou responsáveis do Governo podiam usufruir desse luxo(!). Raúl Castro, Presidente desde Fevereiro último, assumiu as rédeas do país levantando essa restrição da compra de telemóveis, permitindo quer a compra por qualquer cidadão, quer o registo por parte daqueles que os possuiam ilegalmente. Cubanos havia que possuiam telemóvel clandestino em nome de estrangeiros. As filas de pessoas em Havana, à porta das lojas de venda, têm andado pelas centenas.
Esta medida tomada por Raúl Castro, irmão de Fidel, pretende ser um início para acabar com o que ele prórpio considera de "proibições excessivas". Além dos telemóveis, os cubanos também podem adquirir agora, computadores, leitores de DVD's e outros bens electrónicos, assim como alojar-se em hotéis, outrora apenas destinados a estrangeiros.

Nota: Vale a pena ler este post acerca do PCP, da autoria do meu amigo Luís Carlos.

Cargaleiro no Seixal (notícia antiga) e Silly Season...

Take da Lusa há uns meses:
«Cerca de oito anos depois do convite da Câmara Municipal do Seixal para construir o Museu-Oficina de Artes Manuel Cargaleiro, o protocolo para construção do projecto será assinado este domingo, na Quinta da Fidalga, local que acolherá o edifício, noticia a agência Lusa.

Manuel Cargaleiro nasceu em Vila Velha de Ródão a 16 de Março de 1927, mas a busca dos seus pais por melhores condições de vida levou-o, com apenas um ano de idade, para o concelho de Almada.

Em 1949, participou no Primeiro Salão de Cerâmica em Lisboa e expôs pela primeira vez individualmente as suas obras em cerâmica em 1952, num evento organizado pelo Secretariado Nacional de Informação.

Entre uma exposição e outra fixou-se com os seus pais no Fogueteiro, concelho do Seixal, no local onde actualmente está situada a Escola Secundária Manuel Cargaleiro, a única com o seu nome no país. «E não quero mais nenhuma. Penso que é uma escola que funciona bem e da qual me orgulho e chega-me esta», referiu Manuel Cargaleiro.

A criação de um espaço de formação artística diversificada para os jovens e acessível a todos foi a principal motivação do pintor Manuel Cargaleiro para aceitar conceber um museu com o seu nome no concelho do Seixal.

Pinturas, cerâmicas, serigrafias, azulejos e outras peças decorativas fazem parte da colecção do pintor, que ficará exposta na Quinta da Fidalga a partir de Abril do próximo ano, isto de acordo com o calendário da Câmara Municipal do Seixal, responsável pela construção da galeria e remodelação de algumas alas da Quinta.

O Museu funcionará com duas valências complementares: a galeria de exposições permanentes e temporárias e a escola de formação profissional artística, idealizada por Cargaleiro há quase 20 anos.

«Quando pensei no projecto para o Seixal era no sentido de fazer uma oficina de marcenaria, tipografia, cerâmica e restauro, criando um espaço para formar jovens que estão sem ocupação», afirmou o artista, à agência Lusa.

«Hoje, as obras de arte, sobretudo as dos artistas mais velhos, ficam inacessíveis, acho-as um pouco caras demais. Este museu serve para que a arte esteja acessível a todos os que a queiram aproveitar», salientou o pintor, que possui um espólio de milhares de peças.

«Tenho pena que este projecto não tenha ficado ligado a Lisboa»

«Tenho pena que este projecto não tenha ficado ligado a Lisboa porque sempre vivi em Lisboa e estive sempre ligado à cidade, apesar de viver há 50 anos em Paris», lamentou o pintor.

Em 1990, e a convite da Câmara Municipal de Lisboa, criou a Fundação com o seu nome para avançar com o projecto de um Museu Cargaleiro na Praça, projecto esse que acabou por não se concretizar.

No entanto, cedeu todas as suas colecções à Fundação Manuel Cargaleiro, o que lhe permitiu criar um pólo museológico em Castelo Branco, uma escola de artes decorativas em Vila Velha de Ródão e o futuro Museu-Oficina de Artes Manuel Cargaleiro no Seixal.

O pintor tem ainda outro museu com o seu nome, localizado em Castelo Branco e que também vai ser alvo de uma remodelação para poder acolher mais actividades de formação profissional artística.

Em Vila Velha de Ródão, terra natal de Manuel Cargaleiro, onde também estava prevista uma instalação do mesmo género, vai ser apenas construído um Centro de Formação artística na área do patchwork, um projecto que «está mais atrasado», disse o pintor, à Lusa.

No entanto, o primeiro espaço artístico com o seu nome está em Vietri sul Maré, em Itália, onde tem um atelier e um museu de cerâmica com o seu nome, deslocando-se lá «três ou quatro vezes por ano».»


Quando este tema foi discutido na Câmara do Seixal chamei a atenção para a não existência de cláusulas de garantia do munícipio no protocolo então assinado. Por exemplo diz-se que a fundação se obriga a manter o n.º adequado de peças no museu mas não se especifica o conceito de "adequado", qualquer jurista percebe a armadilha que são os conceitos âmbiguos. E esta questão preocupa-me porque com tanto museu (Itália, Castelo Branco, Vila Velha de Rodão e agora Seixal) não sei se há obra que chegue para tanta encomenda. No entanto a maioria (secundada pelos Vereadores do PSD) não viu nenhum problema nesta questão.
No entanto o verdadeiramente hilariante desta discussão foi a resposta de um dos senhores Vereadores à minha intervenção, disse ele: "O senhor Vereador sabe que o Mestre Cargaleiro foi vizinho do Picasso em Paris?" Como se eu tivesse cometido a maior heresia... Não, não sabia (mas também não me interessava). Na altura não respondi, em especial por respeito ao meu interlocutor (e à diferença de idades que nos separa) e ainda porque de facto há argumentos realmente irrebatíveis... Mas cá para mim pensei, e então? Com a quantidade de porteiras portuguesas que há em Paris, também muitas devem ter sido vizinhas do Picasso e a gente não lhe fica com os quadros nem com os paninhos de crochet!

Conto esta história porque para mim é reveladora dum dos principais problemas do Seixal, somos pequeninos, vivemos agachados e não temos tido (enquanto comunidade) capacidade de nos afirmarmos.
Faltam elites na nossa terra.

Interioridade

Aqui, na vida citadina, quase todas as semanas me contactam no sentido de saber se quero ter internet ou se quero fazer um upgrade do serviço que possuo. Pois acontece que, em Mogadouro já por várias vezes solicitei a instalação de internet e nada. Quando por lá estou, desejo que me telefonem para marcar a hora de me visitarem, mas não ligam. Mais: Para solicitar o serviço de internet tive de me deslocar até Macedo de Cavaleiros, guiando por uma estrada de curva e contra-curva onde os km's de ida parecem o dobro. Até agora sem sucesso. Isto é a interioridade, reveladora da diferença do binómio interior/litoral. É triste que assim seja.
Aguardo há mais de dois meses... E já pouco me admira que os que ainda cá vivem queiram mudar-se para todos os Seixais que pululam à volta das grandes metrópoles, onde a falta de qualidade de vida é para mim tão evidente! Ainda que por razões tão diferentes.
Desculpem o desabafo.

Duas perguntinhas ingénuas


Recentemente foi criada a Comissão de Utentes da Freguesia do Seixal, tendo tal facto sido inclusivé sido noticiado na Comunicação Social local.
Muito eu gostaria de dar o meu contributo a este tipo de organizações... Sempre fui um cidadão empenhado e consciente das minhas obrigações para com a comunidade. Acontece que procurei, procurei mas não achei... Nem uma página de internet, nem uma morada, nem um telefone, nada!
Será que alguém é capaz de me informar onde me devo dirigir para fazer parte desta Comissão?
E já agora lembro-me da existência de uma outra Comissão de Utentes de Transportes Públicos, esta Comissão era até parceira da Câmara Municipal, alguém me pode informar onde funciona?
E aproveitando o embalo, alguém sabe porque é que estas Comissões/Associações não recrutam sócios nem cobram quotas, nem parecem preocupadas com isso, ao contrário de todas as outras associações que conheço?

Artista seixalense ganhou 1º prémio em Ferrol

O artista plástico português, Júlio Humberto Campos Almas, natural do Seixal, foi distinguido no passado dia 09 de Junho, pelo Concello de Ferrol, na Galiza, com o 1º lugar do "XX Premio de Grabado Máximo Ramos" - Concello de Ferrol 2008. A obra apresentada a concurso - e que saiu vencedora - chama-se "Duas semanas na vida de Rosa Vivianstein". Esse foi o veredicto dos jurados que, entre outras personalidades, contava com o vereador da Cultura do Município de Ferrol.
Para saber mais acerca deste (nosso) artista, pode consultar o seu blogue Júlio Almas - Artista plástico.
Aqui ficam os nossos parabéns!

Lei da Água à la Seixal

Este assunto, em conjunto com o "drama" da justiça desportiva, serão os temas que esta semana os leitores poderão comentar, para posterior publicação no Jornal Comércio do Seixal e Sesimbra.
Como sempre esta iniciativa acontece em colaboração com o Blog Revolta das Laranjas.
A Lei 12/2008 veio proíbir os consumos mínimos e as taxas de aluguer aos utentes de serviços básicos.
A Associação dos Consumidores de Setúbal alerta: algumas autarquias do distrito de Setúbal estão a cometer uma enorme ilegalidade ao cobrar novas taxas pelo abastecimento de água. O alerta surge depois da Associação se ter deparado com a aplicação de uma taxa adicional pela empresa Águas do Sado, taxa essa denominada quota de serviço, que vem, alegadamente, substituir a antiga taxa de alugueres de contadores. Contudo, a Lei 12/2008 proíbe a imposição e a cobrança de consumos mínimos, assim como de qualquer importância relativa ao aluguer. Segundo a Associação, os municípios para não perderem as verbas que auferiam, estão a querer aplicar uma nova taxa quase semelhante, como que substituindo a de aluguer.
Se isto já de si é escandaloso, a Câmara do Seixal, numa iniciativa pioneira, conseguiu engendrar um esquema ainda mais curioso em que o consumidor, livre do pagamento dos contadores, passará a pagar a água mais cara devido ao aumento deliberado do preço da mesma neste concelho. Mas para ludibriar os consumidores fazendo-lhes crer que estão a pagar menos, a CM Seixal fez distribuir o "Tarifário para o ano de 2008" - que é já o segundo em vigor, depois deste aumento - explicando aos seixalenses que, mesmo o preço da água aumentando, irão pagar muito menos do que pagavam anteriormente apenas porque o valor pago pelos contadores era superior ao aumento agora introduzido directamente na própria água.
O quadro seguinte mostra bem do aumento abusivo que a Câmara do Seixal fez da água, aproveitando-se do facto do valor de aluguer ter desaparecido, o que mesmo com o aumento ilegal faz com que o consumidor pague menos do que pagava. Esta é uma tentativa de fazer o consumidor pagar o aumento, escondendo-o num total da factura, mas não passa no entanto de uma esperteza saloia, pois o que a Câmara se esqueceu de dizer foi que o aumento do preço da água (o segundo este ano repito) vai-se também reflectir nas taxas que são cobradas em função deste valor, e assim o valor final desta factura multi-serviços (como pomposamente é designada) vai ser superior e isso sim é o que importa ao munícipe.
Ou seja preparem-se para mais um aumento na factura da água!
Quem não conhece a história do lobo que veste a pele de cordeiro?

Universidade de Verão do PS Setúbal


Eis as conclusões da Universidade de Verão do PS Setúbal:

1. O s resultados da crise internacional permitem hoje percepcionar que a concepção liberal da economia faliu, com consequências visíveis nos planos humanitário, económico e financeiro, lançando múltiplas incertezas quanto ao futuro.
2. A falência do liberalismo abre caminho à necessidade do aprofundamento dos princípios e valores do socialismo democrático e da social-democracia, nomeadamente quanto ao papel do Estado, à relação com a sociedade civil e com a cidadania.
3. Face à desregulamentação global existente, o sindicalismo deve assumir crescente relevância como instrumento da dignificação do trabalho e dos trabalhadores saudando-
se o reforço organizativo internacional dos sindicatos com a criação da Confederação Sindical Mundial (CSM) e o papel recente da organização Internacional do Trabalho
no contributo para essa dignificação.
4. Do exposto resulta a acrescida responsabilidade, na actual conjuntura, dos militantes e simpatizantes do PS em concentrarem esforços no debate das ideias, que tenha por base a actual realidade, contributo imprescindível para se superarem os graves constrangimentos existentes, actualmente, que resultam da crise internacional e para que se reforcem os valores e os princípios do socialismo democrático.
5. Sem prejuízo do exposto a responsabilidade social das empresas, preocupação historicamente nova, deve ser encorajada e com ela o fomento de parcerias com o Estado, que devem e têm de correr paredes meias com uma atenção especial do Estado aos novos protagonistas e intervenientes na acção desenvolvida pela sociedade civil.
6. A s preocupações com o emprego, implicando politicas públicas activas, articuladas em rede, não excluindo a articulação com o poder autárquico devem também implicar respostas a mecanismos de empregabilidade, suportadas também numa nova perspectiva cultural de cidadania e de crescente auto-responsabilização dos cidadãos.
7. Saudam-se por fim os investimentos públicos que no domínio das acessibilidades, complementados com outros investimentos público-privados, têm como plataforma o distrito de Setúbal, reforçando a esperança numa melhor qualidade de vida dos cidadãos e colocando o distrito como motor do próprio desenvolvimento e já não como
um distrito – problema.

Demitam-se os responsáveis da ERSE

Quando ouvi a notícia pela primeira vez confesso que nem a levei a sério. O que ouvia era de tal modo absurdo que só podia ser um erro jornalístico. Mais tarde percebi que afinal a notícia era fundamentada, o que não era fundamentada era a proposta da ERSE e, de tão ridícula que era, nem a própria beneficiária se queria manifestar sobre ela; na realidade, quando a EDP foi confrontada com a proposta da ERSE de serem os consumidores cumpridores a pagar a factura dos incumpridores, a EDP, estrategicamente, preferiu não se pronunciar.
Pensava eu que a insensatez e a falta de escrúpulos dos responsáveis da ERSE não fosse tão longe e, é com revolta total que apelo à imediata demissão de gente capaz de fazer propostas destas.
Como é possível alguém vir propor que as dívidas de consumidores relapsos da EDP sejam pagas pelos consumidores cumpridores?
De tão absurda e disparatada do ponto de vista social, nem me apetece tecer mais comentários ou aduzir razões porque não deve merecer credibilidade a proposta que está em discussão pública, seja do ponto de vista jurídico-constitucional, seja do ponto de vista da gestão; mas a ousadia desta proposta só merece uma atitude
- Demitam-se os responsáveis, porque não têm sentido, nem sensibilidade capaz, para fazerem cumprir a missão que compete à entidade reguladora.
O Governo não pode lavar as mãos neste caso. A população séria deste País nunca iria compreender ou aceitar que os santos devam pagar pelos pecadores, nem mesmo os mais devotos iriam aceitar tão infame postulado.
Pensava eu que as entidades reguladoras fossem criadas para defenderem os consumidores e a população em geral dos comportamentos das empresas que podem beneficiar de posições dominantes de mercado...?!
Que falta de credibilidade demonstra esta ERSE!!!
Se a moda pegasse só havia uma solução:
- De futuro ninguém pagava as facturas da EDP e talvez os mesmos senhores viessem fazer novamente a mesma proposta; nessa circunstância esperaria eu que só eles tivessem sido cumpridores para, num gesto de coerência, se disponibilizassem a pagar do seu bolso a factura total dos consumos à EDP.

Os Números Ocultos


Os números nem sempre espelham a realidade, é verdade que servem para nos ajudar a conhece-la, mas é necessário saber analisar, enquadrar e interpretar. É como aquela velha história da estatística se em média cada português come 1 frango... quem comeu o meu?
Foi notícia de capa no Comércio do Seixal e Sesimbra - "Seixal em 17.º lugar no ranking dos melhores municípios"; acreditem que fiquei admirado, pensei ... será um ranking de qualidade de vida? Não! Era impossível!
Segui pelo subtítulo, e referiam-se ao Anuário Financeiro dos municípios portugueses de 2006, e quero salientar que este Anuário merece-me toda a credibilidade. Questionei-me, se a Câmara Municipal do Seixal goza de boa saúde financeira, como é possível não existir obra feita na mesma proporção, pelo desde sempre executivo Comunista?
Bem... eu poderia ter um grande ordenado e caso o não soubesse gerir, certamente não compraria aquilo que o ordenado podia permitir. Por outras palavras, e sucintamente, saúde financeira não é sinónimo de boa gestão financeira.


Desfolhei o jornal e fui directo com bastante curiosidade à notícia em causa, que trazia vários indicadores e posições em ranking's, favoráveis e desfavoráveis à Câmara Municipal do Seixal.
Verifiquei que um dos ranking's em análise se chamava "Independência Financeira" e a Câmara Municipal do Seixal estava num honroso 5.º lugar, para uma melhor análise fui consultar o referido "Anuário".
Para quem lê na diagonal e vê Seixal 5.º lugar em Independência Financeira, pensa Óptimo, parece-me bem, boa notícia ...
Mas não é nada disso, este 5.º lugar significa que a Câmara Municipal do Seixal é das que mais penaliza os seus habitantes em Taxas, passo a explicar:
Independência Financeira significa maior peso das Receitas Próprias, do que transferências do Estado. O executivo Comunista tem de receitas próprias cerca de 80% e estas resumem-se praticamente todas à cobrança de água, taxas e impostos. Assim com tanta receita penalizando os munícipes seria fácil fazer um bom trabalho, mas nem assim com tanta receita este executivo o consegue.
O leitor dirá, - mas ainda assim no Ranking global a Câmara está em 17.º lugar !
Pois está – digo eu – mas o grau de penalização que Câmara impõem ao munícipes, não está ponderado no ranking global.
Ou seja, se o indicador de independência financeira estivesse devidamente contemplado e ponderado na óptica do munícipe, o resultado seria bem diferente.
O Ranking global apenas significa saúde financeira, apesar de ser às custas da população, ela existe. Assim os munícipes podem e devem exigir mais e melhor do executivo da nossa Câmara.
Imagine um cenário onde um Governo lhe cobrasse os impostos de forma discricionária, não existiriam problemas de défice até permitia realizar dois aeroportos, duas novas pontes e até retirar todas as portagens, se soubéssemos gerir!
Cobrar é fácil, mas para Gerir e Governar é necessário empenho e Competência.
Desmitificados os números, alerto os munícipes para forma como o executivo Comunista gere os nossos impostos!


Uma coisa vos garanto, o Partido Socialista fará melhor!

Bruno Ribeiro Barata – Economista Membro do Secretariado da Concelhia do Seixal do Partido Socialista

Para peneirar o Seixal

Na Grécia Antiga, Sócrates um dia foi abordado por um amigo...

- Sócrates, sabes o que acabei de ouvir acerca de um dos teus alunos?

- Espera um momento - disse Sócrates. Antes de continuares, quero fazer-te um teste. Chama-se o Teste das 3 Peneiras.

- Teste das 3 Peneiras?!

- Sim - continuou Sócrates. Antes de me dizeres seja o que for acerca do meu aluno, vamos peneirar aquilo que me queres dizer.
A 1ª Peneira é a Verdade. Tens a certeza absoluta que o que me vais dizer é Verdade?

- Não... eu só ouvi...

- Tudo bem - disse Sócrates. Então não sabes se realmente é Verdade ou não. Vamos tentar a 2ª Peneira.
A Peneira da Bondade. Aquilo que me vais dizer acerca do meu aluno é algo Bom?

- Nem por isso...

Então Sócrates continuou.
- Queres dizer-me algo mau acerca dele, mesmo sem saberes com certeza se é verdade?

O amigo ficou embaraçado. Sócrates continuou...
- Ainda tens a hipótese de passar o teste, porque existe uma 3ª Peneira - a Peneira da Utilidade. O que pretendes dizer acerca do meu aluno vai ser-me muito útil?

- Acho que não.

- Bem... - concluiu Sócrates - se o que me queres dizer, não tens a certeza de que seja Verdade, não é Bom, nem Útil para mim, porque mo queres dizer?

O amigo estava envergonhado!

"Sócrates foi um Grande Filósofo e um Grande Ser Humano!"

A Bombordo no «Comércio do Seixal»

Este é o texto a publicar esta semana no jornal «Comércio do Seixal e Sesimbra». Como sempre, poderá comentar aqui ou no blogue A Revolta das Laranjas. O tema desta semana é light e divertido.
Talvez por a época veraneante em que agora entramos ser conhecida por silly-season, e à falta de notícias de relevo, têm surgido algumas notícias pouco ortodoxas. Trago-vos aqui três casos que no mínimo nos farão interrogar: “Como é possível?”.
O primeiro diz respeito ao museu Tate Britain, em Londres (ou Tate Gallery como é mais conhecido). Caso o visite até 16 de Novembro, tenha em atenção que, de 30 em 30 segundos alguém irá passar num corredor a correr. A Tate recrutou 50 atletas semiprofissionais, que recebem 10 libras por hora para correrem pelos seus corredores como se de uma pista de atletismo se tratasse. Quem propôs esta ideia foi Martin Creed um artista que diz não gostar de ver o ambiente mudo e parado do museu, por isso pretender com esta iniciativa dar-lhe vida. “A morte é a paragem absoluta e o movimento é a vida absoluta”, diz.
O segundo relato que aqui vos deixo tem a ver com Barack Obama. Qualquer um de nós pensará que não haverá quase ninguém no Mundo que não reconheça o candidato à Presidência dos EUA. Mais ainda, quando chega com dois seguranças a ladearem-no. Acontece que, em Washington, capital do país de que Obama tem sérias hipóteses de se vir a tornar presidente, uma funcionária do ginásio que o candidato utiliza, o impediu de entrar, tendo-lhe pedido o respectivo cartão de sócio. Como Obama havia deixado o cartão esquecido em casa, a funcionária perguntou-lhe então pelo seu nome a fim de ver no computador se Obama podia entrar. Após lhe pedir o último nome e, ainda assim, não o reconhecendo, pediu-lhe posteriormente o primeiro. Os ficheiros do computador reconheceram-no, mas a funcionária não, contudo lá o deixou entrar porque o computador assim o indicou e não lhe restou outra alternativa…
A terceira curiosidade diz respeito ao Partido Trabalhista britânico que se depara com dificuldades financeiras. Nesse sentido, para ultrapassar a crise resolveu leiloar momentos de lazer com as personalidades mais famosas das suas listas. Ao melhor estilo de uma empresa de realização de sonhos, tipo “A Vida é Bela”, os trabalhistas oferecem um variado leque de sugestões desde o andar de Aston Martin num circuito de corridas com o ex-ministro da Defesa, ao almoçar com o treinador do Manchester United, Alex Ferguson, ou até mesmo ao jogar uma partida de ténis com Tony Blair. É caso para dizer que o Mundo está perdido e que, esta situação ganha ainda maior relevo e estranheza por se verificar em terras de sua Majestade de temperamento tão british e sisudo.
Apesar do ridículo da situação, este é um hábil e curioso esquema de financiamento, pois a ideia de leiloar os pacotes de actividades com personalidades surge para combater a situação deficitária das finanças do partido. Se a ideia pega por cá…

Libertem Marc Gonçalves


Vejam esta notícia e apreciêm os comentários...
Há situações em que por os próprios a falar em discurso directo é o melhor, sem dúvida!
E já agora porque por vezes sentimos melhor estes assuntos quando nos são mais próximos, o que é natural porque humano, apelo daqui à libertação de Marc Gonçalves, também ele refém das FARC, e filho do luso-descendente George Gonçalves e de Josephine Rosano.
Recentemente várias dezenas de associações de portugueses nos EUA reclamaram junto do Primeiro Ministro José Socrates que intercedesse, nomeadamente junto de Hugo Chávez, pela libertação de Marc Gonçalves.
Marc Gonçalves (luso-descendente), Thomas Howes e Keith Stansell foram avistados, já este ano, pelos militares Colombianos a tomar banho no rio Apaporis, no sudeste da Colômbia, no departamento de Guaviare.
Na altura não foi possível montar uma operação para libertar os reféns pela força porque eles foram transferidos para outro acampamento.
Gonçalves, Howes e Stansell caíram nas mãos das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia a 13 de Fevereiro de 2003. Estavam a participar numa operação de luta contra a droga quando o seu avião avariou e caiu numa zona das FARC.
A missão que realizavam na altura em que ocorreu o acidente tinha sido contratada pelo Departamento de Defesa dos Estados Unidos. Mas os apelos feitos pelas suas famílias a congressistas e senadores norte- -americanos têm chocado de frente com a política de apoio de Washington à luta contra a organização narco-terrorista das FARC.
Note-se que as FARC não são apenas uma organização terrorista que mantem refens, as FARC são também uma organização terrorista que se financia recorrendo ao narcotráfico!
Hoje o Partido Comunista já veio afirmar que as FARC não estarão na Festa do Avante, talvez assim seja, mas será a primeira vez nos últimos anos. Mas caso se confirme esta notícia é caso para dizer vale a pena lutar!
Google