MEDO, PROPAGANDA e AUSÊNCIA DE IDEIAS!

Assim vai o Seixal...
Esta história é bem ilustrativa do estado do município do Seixal: hoje pela manhã recebi um e-mail dum funcionário da Câmara Municipal do Seixal, devidamente identificado e que comprovei existir (apesar de não o conhecer), com a mensagem que a seguir transcrevo e o pedido de que não o identificasse, pois já tinha a sua quota parte de problemas com a Administração da Câmara Municipal.
É assim o Seixal hoje: MEDO, PROPAGANDA e AUSÊNCIA DE IDEIAS!
É esta a mensagem:

"Não sou grande entendido em contas. E se os dinheiros públicos são mal direccionados ou não. Pelo que só queria expressar a minha opinião sobre o que se gasta no Seixal Graffiti e nas obras de aquisição públicas.
No Seixal Boletim Municipal – nº 468 (2 de Novembro de 2007) pode ler e ver-se na página 17 do dito jornal e passo a citar, “…o seu resultado é uma Wall of Fame… «uma montra do melhor graffiti a nível nacional» ”.





A primeira imagem não é um graffiti, nem pertence ao “Writter” (nome usado pelo Boletim para artistas de rua que assinam as paredes com o nome do respectivo Gang ou do seu conjunto musical (Rappers),
Os direitos de autor da referida imagem são pertencentes ao “artista” (não Writter) David Lachapelle (fotógrafo) que se pode ver na primeira imagem a obra original. Deveria o referido Boletim fazer referência à autoria da imagem que está, que como se pode ver nas duas imagens, muito mal plagiada. Mas mesmo assim um ilustre desconhecido, dá a sua opinião ao jornal de agrado sobre a qualidade pictórica das obras, penso que baseada na sua longa e experiência nos meios artísticos, estéticos e quiçá literários (pois não se consegue determinar se os artistas do Wall of Fame, são graffiters ou writers).
Se a verba disponibilizada para o evento é ou não disparatada, não faço a mínima ideia.
Se é por falta de verbas aliciantes para que possam trazer ao concelho artistas muralistas (que é assim que se chamam em Portugal) de qualidade. Então a verba gasta é muito pouca.
Se, se aproveitaram do pouca instrução cultural destes munícipes, para promoverem um evento como se do melhor se tratasse. Então a verba é exorbitante.


O outro assunto relacionado com as artes que me causou alguma indignação foi o da aquisição pública de duas obras do escultor Jorge Pé-Curto, inauguradas no Parque Luso.





A imagem a cores (publicada no Boletim Municipal nº 463 – 20 de Julho de 2007, na pág. 13) é referente à dita escultura que tem pelo nome de “Monumento ao 25 de Abril”. A imagem monocromática é um detalhe da obra de Pablo Picasso que como todas as pessoas conhecem, se chama “Guernica”.
Explica o autor ao Boletim que, “ «surge um rosto de uma mulher com uma expressão de alívio face à queda do regime ditatorial…» ” e reforça o Sr. Presidente da Câmara Municipal do Seixal, “ «tornar projectos artísticos como esculturas, mais acessíveis à população que não tem de encontrar uma obra de arte apenas em museus» ”.
Eu que já estive no Rainha Sofia em frente à magnífica obra de Picasso, não consegui captar nenhum sofrimento de alívio nas personagens da obra, mas sim, tal como na escultura (que é um autentico plágio da obra de Picasso) do Pé Curto, uma terrível angustia face à impotência de uma população civil, à barbárie dos bombardeamentos indiscriminados da Legião Condor.
É de lamentar que com dinheiros públicos (pois como é referido na peça do Boletim, as obras são “oferecidas” pelo empreendedor da urbanização, que por sua vez fará acrescer os custos das esculturas ao preço das casas e que por sua vez será devolvido aos cofres municipais em forma de IMI), sejam gastos em coisa que de arte pouco têm e se como diz o Sr. Presidente, se não é acessível ir a Madrid ver a Guernica (penso que se estivesse a referir ao museu Rainha Sofia), em vez da população fazer excursões à Feira do Cavalo, vão a Madrid ao domingo que o museu é de borla (tal como todos em Portugal) e tragam a respectiva torradeira de oferta.
Quanto ao cavalgar do galo, não entendi, ainda, o que uma alegoria cristã tem que ver com o espírito guerreiro do nosso Afonso Henriques e o que têm o galo ressuscitado do prato do juiz a ver com o espírito independentista do Minho face aos vizinhos Galegos.
O Pé Curto lá saberá interiorizar o que fez. Pois ninguém consegue perceber o que fez e o que o município explica, só serve para enaltecer a perpetuação de um povo cada vez mais analfabeto (culturalmente)."

7 comentários:

Velas do Tejo disse...

Do mais profundo de mim, uma homenagem e uma palavra de agradecimento público ao autor desse e-mail. Muito me honra a escrita, a análise, o saber e o sentir desta pessoa assim como a coragem neste "grito".

Caro Vereador Samuel Cruz,
Receber este tipo de e-mails simboliza que, cada vez mais, há quem olhe para si como uma figura com capacidade para dar resposta às necessidade e anseios da população.

É por esta forma aberta, transparente, participativa e inovadora com que faz política (assim como o Dr. Fonseca e Gil, Dr. Paulo Edson, Dr.ª Catarina Tavares...) que, tal como em Fernão Capelo Gaivota, há cada vez mais gaivota a voar vertiginosamente sobre o mar.

Um abraço e parabéns!

Ana disse...

Quantos mais munícipes e não só mas simultâneamente funcionários desta autarquia existem nestas condições? É efectivamente mais do que tempo de termos por cá o nossos grito de "Ipiranga", é tempo de cada um de nós ganharmos coragem e denunciarmos a "castração" a que temos estado sujeitos, é tempo de quem nos tem vindo a "castrar" de saber que é na discussão de ideias que se faz a democracia, é dando a todos a voz a que tem direito que poderemos melhorar não só como seres humanos mas tambem aumentar a nossa qualidade de vida, apostando em obras que realmente para ela contribuem e não para a eternização no poder a qualquer custo.
É preciso que mais vozes destas se façam ouvir, quantas mais houver melhor será para fazer sentir aos senhores do poder desta autarquia que não são os donos da verdade como querem fazer crer e que não são só eles os verdadeiramente democráticos.
Parabéns pela sua coragem.
É urgente pensar o futuro.

Jorge Pieta disse...

Pois é... quantos mais funcionários não existirão que muito sabem e cujo medo os obriga a calar.
Quanto ao Presidente...é sabido... sempre que abre a boca...

Ponto Verde disse...

Pensam que somos todos uma cambada de ignorantes e que ficamos satisfeiros com umas rodas dentadas no meio de mais uma rotunda.

Pensam que engolimos o mito de que vivemos no melhor dos mundos e que o que nos brindam como "arte e cultura" é Arte e Cultura.

Tem pois piada este desmascarar do mito, este faz-de-conta. Só tenho uma dúvida, será que acham que somos todos estúpidos amorfos e ignorantes ou têm tão pouca cultura que acham mesmo que o que nos dão é Cultura ?

Anónimo disse...

O medo na cãmara é imenso cada funcionário não fala sem olhar para todos os lados para confirmar que não há controladores por perto. É dificil aceitar que num pais livre haja situações de opressão desta natureza. Os funcionários têm medo de expor as suas ideias porque se não são a favor do partido são perseguidos pelos chefes dirigentes que são todos da confiança politica do partido comunista. Não são promovidos, alguns não lhe dão trabalho nenhum para fazerem ou outras represálias à boa maneira sovietica. Só não os enviam para a sibéria porque estamos em portugal. Só não tem estes problemas quem faz trabalho de denunciar os colegas insatisfeitos ou quem costuma meter uma nota de pelo menos 50 euros no envelope que é com frequencia distribuido pelos funcionários para fundos para o partido. Além dos 10% do ordenado que os dirigentes têm de dar para o partido os trabalhadores também são coagidos a dar fundos para o partido. Não se escolhem os dirigentes pela competência mas pela possibilidade de receberem a contribuição para o partido. Há situações muito graves de perseguição de trabalhadores na camara do seixal.

Anónimo disse...

Dr. Samuel Dr Fonseca Gil os trabalhadores da camara estão descontentes. Chegou a hora dos vereadores e dos partidos da oposição os ouvirem. Os trabalhadores da camara descontes são uma parte importante para a queda do comunismo no seixal. Cada trabalhador que deixa de vtar comunista faz perder ao partido pelo menos 5 ou seis votos das pessoas que lhe são próximas familiares amigos. Como a camara é eleita com uma parte insignificante de votos uma perda assim era suficiente para fazer tremer a cdu. É preciso que a oposição não se esqueça do peso deste eleitorado.
Um abraço. Espero e desejo o dia em que o que se escreve não tenha de ser anónimo.

Anónimo disse...

As vossas opiniões obtusas e moralistas sobre o graffiti deixam-me perplexa, a sério que não percebo tamanha ignorância. Para além disso, é de extremo mau gosto, para não dizer primitivo, abordarem a questão dos direitos de autor, quando nem sequer se interrogaram o que pensaria a pessoa retratada ao ver-se neste blogzito.

Sim, porque conhecendo-o como conheço, quando se vir aqui no vosso blogzinho, vai explodir...

Quem saber as vossas casinhas e sedes partidárias ganhem alguma cor ahah.

Google