A incoerência como lema

Hoje de manhã, circulava eu na estrada, e como é meu hábito, ouvia uma determinada estação de rádio.
Estava a ser entrevistado o Secretário Geral do PCP e, pese embora não tenha seguido toda a entrevista, houve uma resposta que me deixou perplexo.
Os entrevistadores questionaram o Senhor Jerónimo de Sousa no sentido de divulgar qual tinha sido o aumento dos funcionários do PCP este ano.
O Senhor Jerónimo, bem incomodado com a pergunta, lá foi dizendo que o aumento dos "seus" funcionários tinha sido igual ao aumento da Administração Pública.
Há uma questão que se impõe.
Porque não aproveita o Partido Comunista e dá o exemplo que todos esperariam, em razão da coerência que se exige?
Porque será que o Partido Comunista não dá aos seus funcionários um aumento todos os anos de valor igual à percentagem que a CGTP costuma reivindicar para os trabalhadores em geral?
Se assim fosse não tinha dúvidas que hoje os administrativos do Partido Comunista estariam a ganhar melhor que alguns administradores de algumas empresas.
Acredite Senhor Jerónimo que se fossem coerentes entre o que exigem dos outros e os vossos exemplos, teriam um maior apoio da população. Mas lá reza o velho ditado:
-Faz o que eu digo, não faças o que eu faço.
Este parece ser o lema dos dirigentes comunistas neste País.
Outra posição que achei interessante ouvir do Senhor Jerónimo, quando questionado sobre o Tibete, foi dizer que o Direito Internacional se deve sobrepor aos Direitos Humanos.
Já não entendo nada da ideologia comunista.
Será que alguém entende?


2 comentários:

Ponto Verde disse...

Mas o senhor J.S. mostrou-se altura da mais acrobática personagem do Cirque du Soleil respondendo contorcionisticamente da seguinte forma :

"Pode parecer um bocado idealista, se quiser, mas também este aumento salarial dos funcionários do meu partido, o meu aumento salarial, tem a ver com esta identificação profunda com a realidade dos trabalhadores. Seria uma contradição, obviamente, que o PCP se desligasse dessa realidade e procedesse a aumentos a que com certeza todos nós aspiramos mas que a própria vida impõe, até por uma identificação com essa realidade. Daí o aumento de 2/2,5%."

Ou seja , estamos contra os aumentos de 2,5 % , mas podendo aumentar os nossos funcionários em valores superiores (sendo coerentes) optamos antes por ser solidários ... O Sr. Amorim ou Belmiro de Azevedo, não se atreveriam a tanto! E ainda se auto-denomina "Idealista" , e eu que pensava que estas desculpas eram Ultra-Liberais...

Velas do Tejo disse...

É tempo de
Desmistificar as Lendas do Comunismo!

O tempo das lendas já se esfumou no tempo, e agora a gula leva-nos à era das fábulas, onde as bestas dialogam com os barões do capital, em que os pavões andam bem montados e as galinhas mais aperaltadas que nunca...

E agora.. o povo unido nunca mais será vencido!

Google