O dia dos Namorados

Na primeira crónica publicada nesta coluna escrevi “aqui procurarei explanar, de acordo com a época do ano e os hábitos de consumo a ela associados, quais os “riscos” a que está exposto o consumidor, bem como, qual a forma mais correcta de reclamar, se o leite já estiver derramado”...
Ora, sendo todos nós consumidores e sendo esta a “semana do Amor” por excelência, nada mais indicado do que reflectir sobre um jantar a dois, esquecendo- nos por momentos da ASAE.
Mesmo antes do tão esperado jantar, já deverá existir um qualquer tipo de afinidade: a troca de olhares, os discretos e subtis elogios são um bom sinal, mas a avaliação destes é importante, em especial se ele/ela for seu colega de trabalho, não esqueça que o assédio sexual é um crime em voga…
Mas se os sinais estiverem correctos e a curiosidade e vontade de conhecer realmente o outro fizerem com que marque aquele encontro mais íntimo, onde se poderão realmente conhecer, retenha algumas sugestões, mas lembre-se, não são regras, apenas dicas que podem variar dependendo da sua personalidade e, também, da sua coragem, pois pode estar a arriscar um momento muito importante para o começo de uma vida a dois.
Nesse sentido, convém conferir a lista de coisas, atitudes e situações que devemos evitar ao máximo para que o primeiro encontro não afunde de vez:
1 - Não terá uma segunda oportunidade de causar uma primeira impressão positiva, esmere-se, o primeiro encontro é a oportunidade perfeita para o par se apaixonar ou, caso não corra bem, se desiludirem completamente.
2 - Não se deixe tomar pela euforia, ser mal-educado, ligeiramente grosseiro, ou inconveniente. Tal são atitudes a evitar, se deseja que o seu primeiro encontro tenha sucesso.
3 – Não se declare. Lembre-se que o primeiro encontro serve para que se conheçam melhor. Uma declaração de amor deve ser feita com calma e muita certeza. Se você se desmanchar em elogios logo de caras, corre o risco de assustar o/a pretendente e liquidará todo o romantismo existente no cortejar e na incerteza.
4 - Não fale demais. É óbvio que é bom manter uma conversa, mas convém que dê azo a que o seu par possa falar também, um diálogo não é um monólogo, e se não deixar a outra pessoa falar no fim da noite saberá tanto dela como já sabia!
5 - Nunca fale dos seus relacionamentos anteriores, em especial, do último relacionamento! Contudo, caso haja alguma insistência nesse sentido, seja pouco conciso/a e distanciado/a. Jamais, ao ouvir uma música, diga algo do género: “Esta música faz-me lembrar aquele dia…”, pois matará as suas hipotéticas chances.
6 - Não pergunte quanto ele/a ganha. Se o salário for alto, ele/a, talvez, se sinta constrangido. Se for baixo, como ele/a se sentirá? É melhor não ir por aí.
7 – Se não dominar um assunto da conversa procure mostrar interesse, provavelmente aprenderá algo interessante, caso ele insista em discutir o desempenho futebolístico do seu clube ou ela a última colecção da Zara, encontre uma desculpa para mudar de assunto.
8 - Se o tema for sobre sexo, não abuse nas perguntas. Se o tema aparecer no meio da conversa, aja naturalmente, mas não invada a intimidade alheia querendo saber a posição que ele mais gosta, por exemplo. Basta falar do superficial e concluírem que até os bichinhos gostam.
E pronto, depois destas dicas, agora cabe-lhe a si arranjar alguém para o jantar de namorados, mesmo que posterior a 14 de Fevereiro.
O Amor não escolhe datas nem idades.

Publicado no Jornal Comércio do Seixal

1 comentário:

hserejo disse...

OS STRESSES QUE JÁ TIVE NESTA DATA!!!!!! NÃO FOI FÁCIL GERIR O EXCESSO DE INFORMAÇÃO!

Google