É fundamental que a Câmara do Seixal acelere as obras prometidas


O GOVERNO decidiu que a ponte Chelas-Barreiro vai ser rodo-ferroviária. E decidiu bem. Com rapidez e com sensatez. Para benefício das mais de 500 mil pessoas que vivem nos concelhos do Barreiro, Sesimbra, Seixal e de Almada. E não só.
Na edição do Notícias da Zona de 28 de Maio, já aqui tinha defendido que era fundamental que esta ponte fosse também rodoviária para atenuar algumas assimetrias em termos de acessibilidade rodoviária, melhorar a distribuição de tráfego e suprimir os constrangimentos de circulação nas principais vias de acesso à Ponte 25 de Abril. Esta decisão do Governo socialista, além de vir melhorar a nossa qualidade de vida é um factor importante para o desenvolvimento regional e nacional, ao contribuir para a qualificação do território e o reforço da coesão social, económica e territorial.
Com a terceira travessia do Tejo a efectuar-se no corredor Chelas-Barreiro, fechase o anel ferroviário de Lisboa que permite o desenvolvimento integrado de toda a área metropolitana de Lisboa.
Também a eco-cidade que será construída na Mata de Sesimbra e a plataforma urbana nacional do Poceirão sairão beneficiados com esta ponte, para já não falarmos de outros empreendimentos turísticos que estão projectados para o distrito de Setúbal e que somam mais de três mil milhões de euros.
Esperamos agora que os ambientalistas não façam a esta o que fizeram à Ponte Vasco da Gama, ou seja, não atrasem o que tem de ser feito rapidamente, pois as pessoas estão primeiro.
Em Junho do ano passado, a bancada do PS na Assembleia de Freguesia de Fernão Ferro apresentou uma moção para sensibilizar o Governo para a necessidade da ponte Chelas-Barreiro ser rodo-ferroviária.
A moção foi aprovada mas, curiosamente, os membros da CDU abstiveram-se.
Os habitantes de Fernão Ferro esperam agora que o Governo avance com o hospital do Seixal e a reestruturação da GNR, e a Câmara Municipal não se abstenha de cumprir com o que anda a prometer há anos e avance rapidamente com a construção da escola, do quartel dos bombeiros, do pavilhão multiusos, do cemitério e da sede para a Junta
de Freguesia, equipamentos que são fundamentais para a vila.
Com as medidas que o Governo tomou para a conclusão do IC32, a ponte Chelas-Barreiro e o futuro aeroporto em Alcochete, Fernão Ferro ganha uma nova centralidade e será certamente uma das zonas mais procuradas por quem quer estar perto de tudo mas fora da confusão.

Fernando Soares Reis
Edição do Jornal Noticias da Zona de 2008.01.21

2 comentários:

www.jsdseixal.com disse...

ASSEMBLEIA DO CIDADÃO

!HOJE! JSD DISCUTE ACESSIBILIDADS NO SEIXAL.

ASSEMBLEIA ABERTA A TODA A POPULAÇÃO.

SEJA UM CIDADÃO ACTIVO,PARTICIPE!

ÁS 21:00 NO AUDITORIO DA JUNTA DE FREGUESIA DA AMORA (QUARTA FEIRA)

www.juventudeseixal.blogspot.com

(com a presença de autarcas do concelho e com o deputado Luís Rodrigues)

Anónimo disse...

Sim, mas ressalvo que se a CMS continua a deixar urbanizar, mais do que o necessário e isto tem acontecido muito e ainda agora estão a ser construidos uma dúzia de prédios em Fernão Ferro que não imagino quando vão ser vendidos, qualquer dia a freguesia passa a ter o nome de Quinta do Conde V.

Google