Como já vem sendo hábito, aqui fica a minha contribuição para o Jornal Comércio do Seixal desta semana.


"A Educação para o Consumo – A Alimentação

No último número, quando aqui apresentei o CIAC, referi que este desenvolvia actividades no âmbito da educação para o consumo. Nesta época, de excessos alimentares e quando termina o primeiro período escolar, penso ser adequado abordar a temática da alimentação, nomeadamente os hábitos alimentares dos mais jovens e a sua integração no espaço escola.
Se uma alimentação correcta é fundamental à saúde e bem-estar de todos, nos mais jovens esta preocupação deve ser redobrada e o incremento de hábitos alimentares correctos deve fazer parte integrante do processo de aprendizagem de qualquer criança.
Apesar das escolas receberem indicações do Ministério da Educação sobre a alimentação que devem fornecer nos bares e refeitórios escolares, num esforço de inverter a propensão crescente de alastramento de doenças causadas por maus hábitos alimentares, como sejam a obesidade, a diabetes, as cáries dentárias e as doenças cardiovasculares, o papel da família não pode ser descurado.
Aprender a comer é saber o que é uma alimentação saudável e uma dieta equilibrada. Assim os pais devem seguir, na dieta diária dos seus filhos, as recomendações da Nova Roda dos Alimentos, fazendo com que estes ingiram diariamente as proporções aconselhadas de cada grupo alimentar.
Mas há outras recomendações a não esquecer:
- O pequeno-almoço (que deve incluir leite ou algum dos seus derivados, pão e fruta) é fundamental e não pode ser abandonado.
- Duas pequenas refeições ligeiras, uma a meio da manhã e outra a meio da tarde, compostas por fruta ou iogurte, fazem parte de uma alimentação correcta e igualmente não devem ser negligenciadas.
- Deve-se afastar a ingestão de gorduras em excesso, evitando o consumo de fritos.
- Ao invés, é importante comer diariamente muitas fibras.
- Devem-se evitar os alimentos com muito sal ou muito açúcar, o que inclui todo o tipo de guloseimas.
- A ingestão de refrigerantes é desaconselhada, devendo-se antes beber elevadas quantidades de água.
- Habitue o seu filho a comer pausadamente, mastigando correctamente os alimentos.
- Procure contrariar os apelos do seu filho às refeições de pastelaria e em especial em estabelecimentos “fast-food”.
Na escola os pais devem procurar informar-se sobre as ementas que são servidas, por imposição legal (art. 14 do Dec.-Lei 35/90 de 25 de Janeiro) as dietas devem ser equilibradas e “contribuírem para a melhoria dos níveis alimentares e de saúde dos alunos”.
No caso de este princípio não ser respeitado, os pais podem protestar na escola e junto da Câmara Municipal, pois é às autarquias que compete zelar pela garantia de ementas equilibradas nas escolas.
Não se esqueça, uma alimentação correcta começa em casa e o seu exemplo é determinante para o seu filho. Os conselhos que aqui deixei para os mais novos são, no geral, também aplicáveis a si e termino com uma frase de Hipócrates:

“Que o teu alimento seja o teu medicamento."

Sem comentários:

Google