A bola fria e as bolas quentes


Tentando amenizar os temas mais pesados que por aqui têm passado, aproveito o tema futebol, para vos contar uma história que um dia, um amigo me relatou. Vale o que vale...
A questão da bola fria.
Certamente, a maioria dos que me lêem não saberá do que se trata, tal como eu não sabia. Mas passo a explicar. Ao que parece, quando havia certos sorteios de árbitros para determinados jogos de futebol, ou quando em certas competições se pretendiam encontrar pela frente equipas de escalão inferior, procedia-se, no elaborado mundo do futebol português, ao sistema da bola fria. E em que consiste este complexo sistema?
Simples... Parece que se trata de culinária! As bolas escolhidas "reservam-se" primeiro no congelador por umas horas. De seguida bolas "fresquinhas" e as outras são inseridas no recipiente escolhido para o efeito (habitualmente transparente, para criar emoção).
Já perceberam, não é?
O sistema/esquema da bola fria consiste em retirar do pote as bolas que tinham estado previamente no congelador para, desse modo, garantir que a bola a retirar era a desejada.
Aparentemente, para o incauto espectador, no pote de vidro, as bolas têm a mesma aparência, contudo, apenas a mão nota essa diferença.
Por último, referir que esta conversa surgiu porque alguém dizia que o sistema informático de escolha de árbitros era falível...
Há pois é!

2 comentários:

Anónimo disse...

o q é q o sr vereador acha do cartaz da JSD?

António disse...

Sr. Vereador diga lá, sinceramente, o que é que acha do cartaz novo da JSD. É que eu, mesmo lendo as justificações possíveis dos jovens social-democratas sexialenses, quanto ao financiamento dos seus cartazes, fiquei a saber o que sabia. Sendo eu de uma estrutura política concelhia e, por muito que queira colocar cartazes com slogans bem conseguidos, ninguém, pelos meus lindos olhos, me dá o cartaz. Tenho de o pagar. Mas a estrutura a que pertenço deve ser mais pobre (monetariamente falando) que a seixalense. Eu até queria colocar uns cartazes a falar dos erros e lacunas do executivo camarário onde resido, mas não consigo. O partido não gera receitas suficientes e as empresas não me subsidiam, tá a ver?

Parabéns pelo blogue que, pelos vistos, era algo que os seixalenses desejavam , tal a afluência que tem tido.

Google